Notice: Undefined offset: 0 in /home/dh_pztkek/ambientalsustentavel.org/wp-includes/capabilities.php on line 149

Com a inflação em alta, brasileiros trocam a refeição pelo lanche para economizar

Por causa da queda na procura por alguns itens, os supermercados tiveram que ajustar os estoques: diminuíram, por exemplo, a oferta ou a variedade dos produtos que têm ficado por muito tempo nas prateleiras.

Com a inflação em alta, brasileiros trocam a refeição pelo lanche para economizar
Com a inflação em alta, brasileiros trocam a refeição pelo lanche para economizar. Foto: TV Globo.

Por Jornal Nacional

inflação nas alturas tem forçado o brasileiro a mudar hábitos na hora de comer. E, para economizar, a refeição fora de casa está cada vez mais rápida.

A expressão “comer na rua” tem traduzido bem o que é a hora do almoço em uma cidade como São Paulo. Nem sempre dá para pagar pelo conforto e pelo prato de um restaurante. Resta se acomodar em um cantinho da calçada para economizar nas refeições, que para a auxiliar de limpeza Ruth Thomas e para a líder de limpeza Vanessa Iris Carlos de Medeiros foi um pastel.

“Uma hora a gente vai num restaurante, outra hora a gente faz um lanche. Onde é mais acessível o preço”, conta Vanessa.

“Pastel, um hot dog… E assim vai”, completa Ruth.

A vendedora de cachorro-quente Ana Paula Machado tem mesmo vendido mais cachorro-quente na esquina de uma rua cheia de escritórios, e sabe que o melhor ingrediente é o preço.

“O lanche meu é R$ 7. Onde você vai encontrar um almoço a R$ 7? Entendeu? Ai a pessoa enche a barriga com R$ 7 até chegar em casa. Acaba trocando o almoço por um lanche”, conta Ana Paula.

E é o que mostrou um estudo feito em sete regiões metropolitanas por uma consultoria que pesquisa hábitos de consumo.

“Entre o primeiro trimestre de 2022 com o primeiro trimestre de 2020, um milhão de pessoas, no total, deixou de consumir refeições na rua. Enquanto 3 milhões começaram a consumir mais hambúrgueres”, diz Hudson Romano, gerente da Cconsultoria Kantar.

Não foi só na rua que o cardápio mudou por causa da inflação. O brasileiro cortou da lista de compras itens que subiram demais de preço e, quando possível, trocou por outros mais baratos. Os supermercados, então, tiveram que ajustar os estoques: diminuíram, por exemplo, a oferta ou a variedade dos produtos que têm ficado de lado por muito tempo nas prateleiras.

Um levantamento com informações de 40 mil lojas mostrou o impacto disso nos supermercados. No último mês, de uma lista de 100 produtos, pelo menos 11 não foram encontrados nas prateleiras. É a chamada taxa de ruptura, que fica ainda maior em determinados produtos – como leite e ovos. A falta de leite longa vida, por exemplo, atingiu o maior patamar desde o começo da pandemia. Parte da explicação está no preço, que subiu mais de 40% em 2022 – e que pesa na conta de quem tem filhos.

“Leite para ele é quase impossível: R$ 7 o litro do leite. Tem que diminuir a quantidade e tentar algumas outras opções. Suco de caixinha, mas também não é saudável”, conta o executivo de contas Leandro Felício.

“Quanto mais o preço aumenta, menos o consumidor leva para casa de produtos. Então, nós temos visto aí um dos menores estoques que o varejo tem tido nos últimos dois anos”, explica Robson Munhoz, diretor da Neogrid.

O consumidor percebe a falta de algumas marcas, mas escolhe mesmo o que vai levar pelas promoções.

“Eu procuro o mais barato, quando eu acho. Quando eu não acho, às vezes, pego assim… As pessoas me dão arroz, açúcar, café. Mesmo vencido, eu uso”, conta uma consumidora.

Fonte: https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2022/07/23/com-a-inflacao-em-alta-brasileiros-trocam-a-refeicao-pelo-lanche-para-economizar.ghtml