Notice: Undefined offset: 0 in /home/dh_pztkek/ambientalsustentavel.org/wp-includes/capabilities.php on line 149

Infraestrutura verde reduz estresse térmico em áreas urbanas

A infraestrutura verde pode ajudar as cidades a se adaptarem às mudanças climáticas, moderando as temperaturas mais altas do ar, reduzindo assim o estresse térmico experimentado pelas pessoas

Cientistas da Universidade Técnica de Munique (TUM) realizaram um estudo empírico de vários anos para avaliar o impacto das árvores nas temperaturas da cidade. Tomando a cidade de Würzburg como exemplo, os pesquisadores mostraram que uma cobertura vegetal de aproximadamente 40% é necessária para trazer temperaturas mais baixas no verão.

por Technische Universität München*, extraído de Ecodebate

A infraestrutura verde pode ajudar as cidades a se adaptarem às mudanças climáticas, moderando as temperaturas mais altas do ar, reduzindo assim o estresse térmico experimentado pelas pessoas. Mas o tipo de vegetação desempenha um papel importante.

Para entender a extensão das ilhas de calor urbanas e a relação entre o estresse térmico externo diário e sazonal, uma equipe de pesquisa liderada pela TUM realizou um estudo empírico de três anos na cidade de Würzburg.

Comparando as condições climáticas urbanas e suburbanas

A temperatura média do ar em locais do centro da cidade foi 1,3 graus Celsius mais alta do que em locais suburbanos durante o verão e 5 graus Celsius mais alta durante o inverno. “As diferenças foram influenciadas pelas características dos usos predominantes do solo e principalmente pelo número de edifícios”, diz Stephan Pauleit , professor de Planejamento e Gestão Estratégica da Paisagem na TUM.

Em um dos locais urbanos – “Marktplatz”, onde não havia árvore – foram contabilizados 97 dias quentes com temperaturas do ar superiores a 30 graus Celsius durante o período de três anos do estudo. Em nove desses dias, a temperatura global do bulbo úmido – um índice para entender o estresse térmico – ultrapassou o limite de 35 graus Celsius, que indica estresse térmico extremo. A temperatura do globo de bulbo úmido (WBGT) é definida como a temperatura mais baixa que pode ser alcançada nas condições ambientais atuais apenas pela evaporação da água. Foi calculado usando dados meteorológicos e outras variáveis associadas em sete estações diferentes a partir do centro da cidade – “Marktplatz” para o local suburbano Gerbrunn. Esses valores demonstram a influência da área circundante, incluindo características específicas do local, como edifícios e espaços verdes.

“Nosso estudo mostrou que o estresse térmico extremo no verão pode ser reduzido pela metade com cerca de 40% de cobertura de espaços verdes no ambiente construído, incluindo gramados, telhados verdes e paredes verdes com pouco comprometimento no aumento do estresse frio no inverno”, diz o Dr. Mohammad A. Rahman, cientista da Cátedra de Planejamento e Gestão Estratégica da Paisagem na TUM.

Uma variedade de espaços verdes é importante para o clima urbano

Em ecossistemas urbanos heterogêneos, as árvores têm múltiplas funções biofísicas. Primeiro, com suas copas estendidas, as árvores reduzem a entrada de radiação de ondas curtas no nível do solo em até 90%, principalmente durante o verão, quando as árvores de folha caduca estão em folhas em climas temperados e frios. Em segundo lugar, as árvores resfriam sua vizinhança imediata em 1 a 8 graus Celsius e aumentam a umidade relativa do ar. Isso ocorre através da transpiração, ou seja, a evaporação da água através das folhas durante a produção de alimentos.

Ao mesmo tempo, as árvores também podem trazer efeitos negativos, como dificultar a mistura vertical e horizontal do ar dentro dos cânions estreitos das ruas, evitando que o ar poluído no nível do pedestre seja diluído e levado pela brisa. Por outro lado, a cobertura de grama reduz a carga de calor radiativo por meio de maior reflexão em comparação com o ambiente construído. Também permite velocidades de vento mais altas para limitar a carga de calor do verão e maior radiação solar para reduzir o estresse do frio no inverno.

Indispensável: espaços verdes estrategicamente planejados

“Nossos resultados questionam as tendências de adensamento do centro das cidades vistas atualmente em áreas urbanas em crescimento. Para se adaptar com sucesso às mudanças climáticas, deve-se garantir uma vegetação urbana adequada”, diz Rahman.

Para evitar os efeitos negativos das mudanças climáticas na saúde humana, os espaços verdes devem ser planejados estrategicamente para garantir que também possam reduzir efetivamente o estresse térmico em áreas urbanas de alta densidade.


Área de estudo – a cidade de Würzburg através do transecto urbano-suburbano ( a ) e classificação de uso do solo dentro do limite de 500 m de cada estação de medição ( b ). O mapa de cobertura da terra da área de estudo foi obtido usando uma abordagem de classificação de imagem baseada em objetos aplicando o classificador padrão do vizinho mais próximo em uma imagem Sentinel-2A, posteriormente verificada com imagens do Google Earth. O mapa foi gerado usando QGIS 3.10.0-A Coruña ( https://qgis.org/en/site/ ). In DOI: 10.1038/s41598-021-04669-8

Referência:

Mohammad A. Rahman et al, Spatial and temporal changes of outdoor thermal stress: influence of urban land cover types, Scientific Reports (2022). DOI: 10.1038/s41598-021-04669-8
https://doi.org/10.1038/s41598-021-04669-8

Henrique Cortez *, tradução e edição.

Fonte: https://www.ecodebate.com.br/2022/05/23/infraestrutura-verde-reduz-estresse-termico-em-areas-urbanas/