Medicamento à base do jambu produzido no Amapá testa eficácia contra a disfunção erétil

Remédio em spray é avaliado por especialistas na Unifap.


Spray com jambu é testado na Unifap como medicação contra a disfunção erétil
Spray com jambu é testado na Unifap como medicação contra a disfunção erétil. Foto: TV Globo/Reprodução

Por Salgado Neto e Jorge Júnior, Rede Amazônica — G1 Macapá

Um novo medicamento à base de jambu passou a ser testado na Universidade Federal do Amapá (Unifap). A intenção é que o remédio ajude homens que têm problemas com disfunção erétil, um assunto que ainda é tabu entre o gruo que ela ataca.

Uma das principais dificuldades é encarar o problema e buscar ajuda médica. Além disso, às vezes, alguns medicamentos usados no tratamento apresentam reações nos pacientes.

“A gente percebe que, apesar de ter um número significativo, eles vão abandonando o tratamento por diversos motivos entre eles os efeitos colaterais que as medicações podem causar. A gente percebeu essa necessidade, então criamos o projeto para desenvolver um medicamento a base de produtos naturais e para acolher os pacientes”, comentou o urologista Lecildo Lira, professor de medicina na Unifap.

Substância encontrada no jambu levou ao medicamento em teste — Foto: Rede Amazônica/Reprodução
Substância encontrada no jambu levou ao medicamento em teste — Foto: Rede Amazônica/Reprodução

Planta bem conhecida na Região Norte, o jambu tem substâncias que proporcionam benefícios para pessoas que tem disfunção erétil e ejaculação precoce. Com os testes em laboratório, o grupo de pesquisa chegou a um spray.

“Nós fomos atrás de um princípio ativo que já havia relatos de populares que funcionava para disfunção erétil. Partimos para uma substância dessa planta e estamos trabalhando em nível de nanotecnologia, para melhorar os efeitos e diminuir as concentrações para não produzir um efeito tóxico colateral”, destacou José Carlos Tavares, coordenador do curso de farmácia.

Antes de chegar ao formato em spray, é preciso seguir um processo que leva cerca de uma semana.

Processo de produção do spray leva uma semana — Foto: Rede Amazônica/Reprodução
Processo de produção do spray leva uma semana — Foto: Rede Amazônica/Reprodução

A planta é coletada e passa por secagem. É feita uma extração com etanol para então secar o estrato e incorporar no spray. Mesmo depois de pronto, o medicamento ainda precisa passar pelo teste do controle de qualidade antes de entregar o produto para o paciente.

Essa não é uma ação simplesmente para se criar um medicamento. Mais do que isso, é um canal para ajudar dezenas de homens que não chegam até os consultórios por vergonha, ou porque não possuem meios de o atendimento correto para resolver o problema. Mas com esse trabalho, isso pode ser diferente.

Quem tiver interesse, pode procurar o Núcleo de Urologia da Unifap e agendar uma consulta pelo número (96) 98406-9564.

Matéria Original: https://g1.globo.com/ap/amapa/natureza/amazonia/noticia/2021/06/11/medicamento-a-base-do-jambu-produzido-no-amapa-testa-eficacia-contra-a-disfuncao-eretil.ghtml