Ser ecologicamente sustentável e socialmente justos

Ser ecologicamente sustentável e socialmente justos, 

o que está por trás disso

O que significa ser ecologicamente sutentável e socialmente justos? Essa pergunta aparentemente fácil de se responder esconde vários conceitos éticos, morais e filosóficos. Mas por que? Acontece que a medida que se começa a refletir a respeito de tudo que está por trás de ser “sócio-ambientalmente correto” você percebe que sua PESSOA, seu EU também começa a se trasnformar, pois torna-se imprescindível REFLETIR SOBRE NOSSAS ATITUDES, por exemplo: O que comprar? Por que comprar? Eu realmente preciso disso ou é apenas um impulso consumista? Será que esse recurso financeiro não poderia ser melhor aplicado em outra atividade, como ajudar uma família carente? Por que separar esse lixo? Por que usar sacolas recicláveis ao ir ao supermercado? Por que reutilizar a água da máquina de lavar roupas? Por QUE? Por QUE? Por QUE?

Quantas perguntas nos fazemos ao longo do dia quando começamos a conhecer e estudar o conceito de ser ecologicamente sutentável e socialmente justo. E QUANTAS COISAS APRENDEMOS:

– ao reduzir o consumo, diminuimos o lixo, pois o que geramos é excessivo. O produto desejado do presente, é o resíduo descartado no futuro. Quando digo resíduo, digo o lixo de nossas casas, das fábricas e das insdústrias, os dejetos despejados em nossos rios durante a cadeia produtiva e a poluição do ar provacada em todo o processo, sem contar a energia despendida em todos esses estágios;

– ao reciclar evitamos que milhões e milhões de reais sejam jogados fora, dinheiro que poderia ser investido em outros setores, como educação e segurança pública, contribuindo assim para o desenvolvimento do país. Ademais, hoje, milhares de família sobrevivem da coleta seletiva, os catadores de lixo, ou seja, reciclar gera empregos. Resumindo, reciclando preservamos o planeta para as futuras gerações e ainda geramos emprego e contribuimos para o desenvolvimento do Brasil.

– quando deixamos de utilizar sacolas plásticas, evitamos que toneladas de plástico retornem ao ambiente, sacolas as quais terminam por poluir rios, lagos e oceanos. Reduzimos o gasto do Poder Público em dragagem e menos gente que perde tudo ou morre por causa das inundações.

Como disse, muitos e muitos conceitos estão por trás de ter consciência sócio-ambiental. Não trata-se apenas ser eco-xiita ou eco-chato como alguns chamam, é muito mais que isso. Envolve moral, ética e filosofia de vida, como respeitar e se importar com o próximo, com o planeta.

Talvez você possa pensar que ao fazer isso sozinho nada vai adiantar, pois seu vizinho não o faz. Pode achar que será uma GOTA NO OCEANO. Mas não. O mundo, a sociedade vem mudando. As crianças de hoje se preocupam com o meio ambiente. Quem tem filhos pequenos sabe disso. E mais, somos capazes de influenciar pessoas, destarte o que mais importa é fazermos a nossa parte, estarmos com nossa consciência limpa. Se todo mundo pensasse assim, o planeta estaria em harmonia. Então, vamos fazer nossa parte, vamos ser ecologicamente sustentáveis e socialmente justos.

Nádia Menegaz

Especialista em Gestão Ambiental e em Direito Público, Bacharel e Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade de Brasília.

Brasília, 19 de julho de 2011.

Foto: Patricia Patriota

Foto: Patricia Patriota