Satélite deve cair sobre a Terra na madrugada desta sexta-feira

O Upper Atmosphere Research Satellite (Satélite de Pesquisa da Alta Atmosfera, UARS) foi colocado em órbita em 1991 e deve sair na Terra por falta de combustível Fonte da foto : EXAME

Durante a madrugada de amanhã, a atenção dos especialistas da Nasa não estará totalmente voltada para o cosmos e os conhecimentos científicos que podem vir do espaço, como de costume. É a superfície da Terra que preocupará um grupo de cientistas da agência norte-americana. Eles passarão a noite em claro acompanhando a queda do Satélite de Pesquisas da Alta Atmosfera (Uars, na sigla em inglês), concebido para monitorar a camada de ozônio e desativado desde 2005.O retorno do equipamento, colocado em órbita pelo ônibus espacial Discovery em 1991, não causaria grande alvoroço não fosse um detalhe: os cientistas não sabem determinar exatamente o horário e o local em que as peças do instrumento — que mede 10m de comprimento por 3m de altura e pesa mais de meia tonelada — devem desabar. Como faz tempo que os cientistas não conseguem contato com o aparelho, eles só puderam prever que ele deve cair em alguma região entre o norte do Canadá e o sul da Argentina.A expectativa é que o satélite se desintegre em milhares de pedaços ao longo dos cerca de 600km que deve percorrer antes de bater no solo — ou na água. Mesmo assim, ainda restarão partes com até 165kg. As peças poderão ser encontradas em um raio de 800km. Antes que as pessoas começassem a reforçar seus telhados, a Nasa emitiu um comunicado para tentar transmitir tranquilidade. Segundo o órgão, a probabilidade de um desses pedaços cair sobre alguém é de uma em 3,2 mil. Segundo a Nasa, há risco de as peças do Uars danificarem outros satélites que orbitam a Terra, o que poderia afetar o funcionamento de equipamentos como televisores, aparelhos de rádios e aparelhos que utilizam a tecnologia de GPS.

PEÇAS TÓXICAS

As Forças Armadas dos Estados Unidos emitiram ainda um comunicado aos cidadãos que, porventura, encontrem uma lasquina do Uars. Como ele é de propriedade militar do país, os restos não podem ser comercializado de nenhuma forma. Além disso, as peças podem conter substâncias químicas nocivas às pessoas, e a recomendação é que não se toque em nenhum pedaço do equipamento.Essa não é a primeira vez que a queda de um satélite desativado (ou morto, como denominam alguns cientistas) causa preocupação. Em 2008, um equipamento de espionagem dos Estados Unidos poderia ter caído sobre o país. Devido ao caráter sigiloso da máquina, a Nasa não confirmou o caso, apesar de emitir um alerta. Em 1978, restos da Skylab, uma estação espacial lançada pelos americanos cinco anos antes, caiu no Oceano Índico e próximo à costa da Austrália. Já em 2002, cerca de 3t de um equipamento espacial não identificado pelas autoridades caiu no Golfo Pérsico, Em nenhum dos casos foram registrados danos.
Fonte : Correio Braziliense