Rastro limpo

Fabricantes de automóveis foram considerados um dos setores da indústria mais alinhados com a sustentabilidade. Esse foi o resultado de uma pesquisa realizada pela Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) com 63 representantes de empresas. O segmento foi eleito o segundo mais preocupado com o meio ambiente – o primeiro é a área de energia. “Contribuiu para esse resultado o investimento da indústria em motores flex e elétricos”, diz Jairo Martins, superindente geral da FNQ. Segundo ele, as montadoras aplicam recursos em iniciativas mais limpas não só por estratégia de marketing e consciência ambiental.

Há fatores econômicos envolvidos. É o caso da Mercedes-Benz, que economiza 60 reais a cada tonelada de resíduo da  fábrica que não é encaminhado ao aterro sanitário. “Os restos vão para a reciclagem e parte deles é usada como combustível em fornos de cimento”, diz Guilherme Heinz, gerente de qualidade corporativa da marca.

CONFIRA O PROGRAMA DE OUTRAS FÁBRICAS

PEUGEOT – A marca mantém uma fazenda de 10000 hectares pouco maior que Paris no norte do Mato Grosso, região sul da Amazônia. Resultado Em dez anos, a Peugeot reflorestou 1,8 hectare de pastos com plantas amazônicas. A ideia é que a área funcione como um poço de carbono, capaz de retirar o CO2 do ar por meio da fotossíntese da floresta. Até agora, 110000 toneladas de CO2 foram capturadas.

HONDA – Transporta motocicletas e peças entre Belém (PA) e Manaus (AM) por meio da Balsa Swimming Warehouse, que substitui 75 carretas nas estradas.
Resultado: Com a balsa, deixa-se de emitir poluentes. O projeto economizou 2,8 milhões de litros de diesel entre 2007 e 2010, ou 1,7 litro por motocicleta transportada.

VOLKSWAGEN –Tem software que mede os impactos da produção no meio ambiente, o que permite contabilizar o consumo de recursos naturais e emissões de resíduos.
Resultado: De 2008 a 2010, a empresa reduziu em mais de 16% o consumo de água, energia e gás natural por veículo produzido.

MERCEDES-BENZ – Um programa conscientiza funcionários a reduzir o consumo de água, de energia e de solventes e a evitar resíduos. Rotas alternativas dentro da fábrica garantem menor consumo de combustível.
Resultado: O consumo de energia caiu 20% e o de água, 60% a cada veículo produzido nos últimos dez anos.

Fonte: Planeta sustentável