Publicação aponta caminhos para transição a uma economia limpa

A Conservação Internacional lançou na semana passada a oitava edição de sua revista Política Ambiental, dedicada ao tema Economia verde: desafios e oportunidades. Contendo 18 artigos de especialistas de diversos setores da sociedade, a revista apresenta caminhos para a transição no Brasil e no mundo rumo a um modelo de crescimento econômico mais inclusivo e liderado por setores de baixo impacto ambiental.

A nova publicação da Conservação Internacional (CI-Brasil) abre caminho para um amplo debate social sobre economia verde, que será um dos temas-chave na Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, em 2012 no Rio de Janeiro. “Com esta publicação buscamos lançar os elementos que podem formar a base para a discussão sobre economia verde no país”, afirma Paulo Prado, diretor de Política Ambiental da CI-Brasil.

Os 18 artigos da Economia verde: desafios e oportunidades abordam temas como valoração e precificação de recursos ambientais, pagamentos por serviços ambientais e novos mecanismos de mercado e políticas públicas capazes de alavancar a transição para uma nova economia. Alguns setores produtivos são discutidos em detalhe, como é o caso do agropecuário e as necessárias definições em termos de política agrícola e legislação para se estabelecer um novo ciclo de desenvolvimento do setor.

Entre os autores estão os professores da Universidade de Brasília Eduardo Viola e Donald Sawyer, o professor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Peter May, o pesquisador do IPEA Ronaldo Seroa da Motta e o professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro Carlos Eduardo Frickmann Young.

A publicação conta ainda com a participação de representantes do PNUMA, da Cepal, do PNUD, do Ministério do Meio Ambiente e do setor privado.

“O desafio de se caminhar na direção de uma sociedade mais igualitária e sustentável está, mais do que nunca, em pauta. É nesse contexto que a publicação Economia verde: desafios e oportunidades vem dar subsídios para o estabelecimento de uma economia que reduza os riscos ambientais e que garanta ao mesmo tempo a melhoria do bem-estar humano e da igualdade social”, afirma Camila Gramkow, coordenadora de Economia e Sustentabilidade da CI-Brasil.

Acesse a íntegra da publicação no endereço:http://www.conservacao.org/noticias/noticia.php?id=541

(Conservação Internacional)

Foto: Patricia Patriota

Foto: Patricia Patriota