PCs velhos ganham sobrevida e ajudam na inclusão social_ SERPRO

Cedir (Centro de Descarte e Reúso de Resíduos de Informática) recebe doações de empresas e pessoas físicas, e usa as peças dos computadores velhos para montar equipamentos que ainda podem ser utilizados _ www.cce.usp.br/?q=node/266

Em vez de reciclar, instituições em diferentes partes do mundo resolveram lidar com a sucata eletrônica de outra forma: elas dão sobrevida a equipamentos que, para alguns, já não têm valor. O Centro para a Democratização da Informática (CDI), a ong britânica Computer Aid e o Centro de Descarte e Reúso de Resíduos de Informática (Cedir) estão entre as entidades que recuperam computadores e os doam para projetos sociais.

Em vez de reciclar, instituições em diferentes partes do mundo resolveram lidar com a sucata eletrônica de outra forma: elas dão sobrevida a equipamentos que, para alguns, já não têm valor. O Centro para a Democratização da Informática (CDI), a ong britânica Computer Aid e o Centro de Descarte e Reúso de Resíduos de Informática (Cedir) estão entre as entidades que recuperam computadores e os doam para projetos sociais.

“Toda a energia gasta no processo de fabricação de um novo computador é economizada se os equipamentos forem reusados”, lembra Marcos Gomes da Silva, diretor de operações da Computer Aid. Desde 1997, a ong britânica ajuda empresas inglesas a se livrarem dos equipamentos que não querem mais. Começou como uma iniciativa social, para repassar para populações carentes – principalmente da África – os computadores descartados em terras inglesas. “Hoje, além de ajudar essas comunidades, resolvemos um problema pras empresas que precisam se responsabilizar pelo lixo eletroeletrônico que produzem”, diz Marcos Gomes da Silva, diretor de operações da entidade.

Nem tudo, porém, pode ser reaproveitado. No CDI, a cada quatro máquinas recebidas, monta-se uma para doação. A proporção é semelhante no Cedir e na Computer Aid. E por que isso? “Não queremos que os computadores sejam descartados em pouco tempo por quem os recebeu”, diz Tereza Cristina Carvalho, coordenadora geral do Cedir. “Para a Computer Aid, o ideal é que fiquem com o novo usuário por pelo menos mais cinco anos”, completa Gomes da Silva.

A Computer Aid ainda vai além: envia apenas computadores para as entidades que vão em busca de equipamentos. “Isso impede que um produto se torne um objeto inútil. Por exemplo, se enviamos uma impressora sem que ela seja solicitada, podem haver problemas na compra de toner e o acessório acabar no lixo”, constata o diretor de operações.

As instituições mantêm em estoque os componentes que não foram usados, mas estão funcionando. Já o material que não é útil, é separado e enviado para as recicladoras, que se especializam em itens específicos. “Há quem compre só plástico, outros compram metais e assim por diante, e existe um volume mínimo que as recicladoras exigem”, explica Tereza. E o envio leva em conta, também, a regularização das empresas que vão tratar o material. “No Cedir, só negociamos com empresas certificadas pela Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental de São Paulo (Cetesb), para garantir que a destinação do resíduos será correta”, explica a coordenadora geral do Centro.

“Todos precisamos nos responsabilizar pelo consumo consciente: se cada indivíduo se mobilizar, o movimento se torna viral”, incentiva Rodrigo Baggio, diretor-executivo do CDI. Fernando Rodrigues da Silva, professor do curso de Engenharia Ambiental do Centro Universitário Senac, ressalta que é preciso se preocupar, antes da reciclagem, com a redução da produção de lixo, e lembra que essa diminuição é um dos objetivos da Política Nacional de Resíduos Sólidos brasileira, estabelecida em lei em 2010.

Outro gasto evitado quando se faz a recuperação de computadores é o de matéria-prima. “Uma grande parte do lixo eletrônico é composta por plástico, um material que, além de demorar centenas de anos para se decompor, é produzido a partir do petróleo, um recurso natural limitado”, exemplifica Baggio. Além disso, existem diferentes tipos de plástico num mesmo equipamento e, na hora da reciclagem, eles não podem ser misturados. “É preciso que o plástico usado nos equipamentos esteja devidamente identificado, para facilitar a separação dos materiais”, completa João Carlos Redondo, gerente-executivo de Sustentabilidade da Itautec.

Para evitar o impacto no meio ambiente causado pelo transporte, outra questão a ser observada, a Computer Aid só recebe computadores da Inglaterra. “Quando alguém nos procura de fora do país, preferimos indicar opções locais”, diz Gomes da Silva. Ele conta que, apesar de não ter escritório em outros locais da Europa, a Computer Aid atua em conjunto com organizações com objetivos semelhantes para influenciar alterações na Waste Electrical and Electronic Equipment (WEEE – ou Lixo Eletroeletrônico, em tradução livre), a lei que regula o lixo eletrônico no território europeu.

Fonte : Portal SERPRO

Serviço Federal de Processamento de Dados – SERPRO
Edifício Sede: SGAN 601 — Módulo V — CEP 70836-900 — Fone: (61) 2021-8000 — Brasília DF