O Grito dos/as Excluídos/as realizou debate sobre a agroecologia como alternativa ao projeto de vida

Departamento de Agroecologia _ UNIVERSIDAD AUTÓNOMA CHAPINGO

O Grito dos/as Excluídos/as realizou no dia 01 de setembro de 2011, a partir das 17:30hs, na sede do SECOM, debate sobre a agroecologia como alternativa ao projeto de vida.

Participaram como debatedores o Professor João Liberalino, Neneide Viana da Rede Xique Xique, os engenheiros agronônomo Raniere Barbosa, Flaviano Barbosa e Francismar Câmara, juntamente com as pastorais e os movimentos sociais.

O objetivo do debate é desmistificar o uso de agrotóxico como única alternativa para a produção de alimentos, denunciar o seu uso e interesse financeiros do agronegócio e seu modelo de pacotes de venenos que vem gerando vários impactos ambientais e prejuízos a saúde humana.

Iniciativas como estas tem como finalidade apresentar as experiências agroecologicas que tem sido praticada pelos agricultores/as a milhares de anos provando que não é preciso o uso de venenos para o combate de pragas na produção de alimentos. Esse conhecimento secular com suas técnicas naturais de seleção das sementes adaptadas ao clima e a região sempre alimentou muito bem a humanidade e utilizou do próprio equilíbrio da natureza para o combate as pragas de forma natural sem causar prejuízo aos ecossistemas.

Durante o debate foi apresentada algumas experiência de Moacir Lucena e da Rede Xique Xique que trabalha com grupos que desenvolve atividades agroecologica produzindo alimentos limpos de venenos, preservando nossos recursos naturais, garantindo a segurança alimentar e gerando renda para as comunidades e assentamentos rurais como é o caso da Rede Xique Xique que possui uma loja em Mossoró e em várias cidades na região, como também a experiência da APROFAM que realiza a Feira Agroecologica ao lado do museu municipal durante os sábados pela manhã.

Este evento faz parte do tema do 17º Grito: Pela vida grita a terra.. Por direitos todos nós! Questionando os direitos das pessoas escolherem o que comer como viver e produzir, preservando seus costumes, seu trabalho, a biodiversidade se contrapondo ao modelo destruidor do agronegócio que vem causando sérios prejuízos ao meio ambiente.

Fonte : Carlos Antonio da Silva e Mário ilo Garcia, Comissão do Grito/ Pastoral Operária,para o EcoDebate, 02/09/2011