Moradores de Macaé temem prejuízos na pesca por causa do vazamento na Bacia de Campos

Cerca de 15 mil famílias de Macaé, no norte fluminense, podem ser prejudicadas pelas consequências do vazamento de óleo no Campo de Frade, na Bacia de Campos. A estimativa é do subsecretário de Pesca do município, José Carlos Bento.

Segundo ele, na cidade, vivem cerca de 1.200 pescadores que dependem diretamente da atividade para seu sustento, além de outros profissionais, como pequenos comerciantes de pescado, que também temem prejuízos. A origem do derramamento está a 130 quilômetros de Macaé.

“Os pescadores que trabalham em alto-mar, mais longe da costa, vão ter prejuízos maiores. Mas os que ficam por perto também correm sérios riscos porque, além da contaminação do peixe, se os resíduos chegarem às praias, os materiais de pesca, como redes, serão danificados. Com a possível paralisação da atividade na região, os prejuízos vão atingir toda a cadeia produtiva, até o pequeno comerciante que vai de bicicleta vender o pescado nas comunidades”, avaliou.

O secretário acrescentou que muitos atravessadores – profissionais que compram o produto diretamente dos pescadores e o revendem nos centros comerciais – estão deixando de negociar em Macaé pelo “efeito psicológico” que o vazamento de óleo tem provocado nos consumidores.

“Embora os estoques estejam intactos porque foram pescados antes do vazamento, muita gente fica com medo e não quer o peixe procedente dessa região. Isso só faz as perdas serem ainda maiores”, lamentou.

Segundo José Carlos Bento, a prefeitura estuda a possibilidade de cobrar uma indenização da petroleira Chevron, responsável pelo acidente. Ele também informou que a administração municipal elabora um documento que pretende enviar ao Congresso Nacional, no próximo mês, pedindo atenção especial às perdas dos pescadores. São produzidas em Macaé, por mês, cerca de 500 toneladas de pescado, como atum, dourado, pescadinhas, caçãozinho, entre outros.

Marcelo Pereira, presidente da Colônia de Pescadores Z3, localizada no município, disse que ainda não é possível avaliar o impacto sobre a atividade porque a maior parte das embarcações de grande porte, que atuam nas áreas próximas ao local do vazamento, ainda não retornou ao continente. Ele disse, no entanto, que acompanha os desdobramentos “com apreensão”. “Só vamos saber mesmo quando eles voltarem, mas estamos com muito medo do piche chegar à costa porque vai prejudicar muito a classe pesqueira”, disse.

Outro risco que vem assustando ambientalistas é o de o óleo vazado atingir as baleias jubarte, que, nesta época do ano, usam a região onde se formou a mancha como rota migratória, após o período de reprodução. A presidenta do Instituto Baleia Jubarte, dedicado à preservação da espécie, Márcia Engel, disse que ainda não foi verificada a contaminação de nenhum desses animais em função do episódio na Bacia de Campos, mas ressaltou que ainda existe o risco. “Estamos acompanhando a situação, que é potencialmente grave e preocupante. De maneira geral, os cetáceos [família à qual pertencem as baleias] tendem a evitar as manchas, mas nem sempre elas conseguem”, disse.

Ela explicou que a contaminação pode gerar, nos animais, problemas de pele, nos olhos e respiratórios. Segundo dados preliminares de um levantamento que o Baleia Jubarte está produzindo, cerca de dez mil baleias jubarte nadam pela costa brasileira anualmente, entre os meses de julho e dezembro.

De acordo com a Chevron, o tamanho da mancha originada pelo vazamento no Campo de Frade está reduzido a um barril. Cada barril tem 159 litros. A empresa também confirmou que vai suspender todas as suas operações de perfuração para a produção de petróleo no Brasil, conforme decisão anunciada ontem (23) pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), incluindo o poço já aprovado pelo órgão regulador, com objetivo no pré-sal, até que o incidente tenha sido totalmente investigado.

A petroleira esclarece que a suspensão, no entanto, não terá impacto na produção do Campo de Frade, que é cerca de 79 mil barris de óleo equivalente por dia. Na segunda-feira (21), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) multou a Chevron em R$ 50 milhões, valor máximo previsto na lei brasileira.

Fonte: Agência Brasil

Cerca de 15 mil famílias de Macaé, no norte fluminense, podem ser prejudicadas pelas consequências do vazamento de óleo no Campo de Frade, na Bacia de Campos. A estimativa é do subsecretário de Pesca do município, José Carlos Bento.

Cerca de 15 mil famílias de Macaé, no norte fluminense, podem ser prejudicadas pelas consequências do vazamento de óleo no Campo de Frade, na Bacia de Campos. A estimativa é do subsecretário de Pesca do município, José Carlos Bento.