Meio Ambiente : Muito se fala pouco se sabe…

Apesar de cada vez mais preocupado com a questão ambiental, podemos ver que a população ainda não é capaz de relacionar, entre si, os vários temas ligados aos impactos da ação humana sobre o meio ambiente, mantendo certa distância em relação às alterações ambientais já em curso, como aquecimento global, disposição dos resíduos sólidos e a escassez da água potável.

Recentemente uma pesquisa encomendada pelo canal MTV Brasil, “Dossiê – Universo Jovem 4”, apontou que em um ranking de 28 temas sobre assuntos de interesse pessoal, a questão ‘ecologia/meio ambiente’ apareceu na 22ª colocação onde as três primeiras posições são ocupadas por música, esporte e profissão, respectivamente
A preocupação com a ‘falta de água’, é colocada na 16ª posição e ‘escassez de alimentos’ na 24ª. Segundo a pesquisa, os temas voltados para a sustentabilidade ambiental (lixo, água, energia e crimes ambientais, por exemplo) ganharam mais destaque na mídia nacional e internacional nos últimos anos, passando a interferir na economia global e consequentemente no dia-a-dia do jovem.
Mesmo assim, as questões ambientais são tratadas e vistas de forma pontual, “sem relacionar um problema com o outro”.
“A poluição e o lixo são problemas das cidades, o desmatamento só ocorre na Amazônia ou na Mata Atlântica, e o aquecimento global é um problema internacional, que parece ainda não ter chegado ao Brasil. Alguns ainda falam como se o problema não fosse parte de sua geração, como se não fizessem parte desta ‘geração futura’”, completa o dossiê.
Esta pesquisa foi feita com 48 milhões de jovens entre 12 e 30 anos em todas as regiões do país – cerca de 9 milhões nas cidades economicamente mais ativas. O levantamento também foi realizado junto as classes A (5%), B (37%) e C (58%) com pessoas que representam 92% do IPC Índice de Potencial de Consumo no Brasil.
O relatório ressalta também que o aumento da preocupação é perceptível, sobretudo, por conta das informações cada vez mais difundidas nas escolas e mídias, no entanto, a busca por uma postura frente às questões de sustentabilidade ainda “é assumidamente pequena, superficial e, quando captada, dificilmente se transforma em ação”.
O dossiê concluiu que a conscientização do jovem é influenciada tanto pela família, quanto pela formação escolar e a qualidade da informação que consegue absorver. No entanto, independentemente do grau de conhecimento de cada entrevistado sobre o meio ambiente, quando discutida a questão, todos concluem que “a situação é bastante séria e que, daqui a alguns anos, as gerações futuras vão sofrer as conseqüências”.
Diante desse quadro, todos os lados dessa história reclamam: o Planeta que pede mais atenção e cuidados com ele; os professores que só ensinam superficialmente; os estudantes que desconhecem o assunto; a população que reclama do descaso (esquecendo-se de que ela também é culpada); o Governo que pouco ou nada faz para melhorar esse entendimento e, consequentemente, melhorar o futuro do Planeta.

Fonte : Edison Martins -Marca Ambiental