Madeira jogada no lixo vira energia limpa em cidade de SP

Contra o Desmatamento _ Segundo dados da SMA – Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo, graças às ações fomentadas pelo Madeira é Legal, até agora, foi possível evitar a comercialização de cerca de 3 mil m³ de madeira irregular no Estado. E mais: o programa conseguiu mobilizar mais da metade dos municípios paulistas para a causa. Isso porque, desde que foi criado, 355 – das 645 – cidades de São Paulo assinaram o acordo se comprometendo a comprar, apenas, madeira legal para as obras públicas municipais – entre elas, a própria capital do Estado.

Uma iniciativa da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de uma cidade do interior de São Paulo vai transformar galhos e restos de madeira descartados como lixo em energia limpa, em parceria com a empresa Monte Azul. O objetivo da prefeitura de Araçatuba é evitar o desperdício do material, além de apresentar a biomassa como uma alternativa ao uso do carvão nos fornos de cerâmica e empresas locais.

O primeiro Ecoponto para recolher os galhos e a madeira foi instalado pela prefeitura no final do mês passado, no bairro Carazza, ao lado do Ecoponto de Resíduos Sólidos. A empresa Monte Azul investiu R$ 200 mil para a aquisição do equipamento, o picador (um rotor com saídas de cavaco, acompanhado por esteira de alimentação, peneira removível, facas de aço, rolos tracionadores dos resíduos e calha redutora do fluxo para a esteira de saída.)

A população será orientada para que galhadas de árvores e sobras da construção civil sejam descartadas corretamente, no local adequado, em vez de ficar em aterros sanitários. A Monte Azul, que já é a empresa responsável por coletar a tratar o lixo da cidade, recolhe depois o material que é reutilizado e transformado em combustível destinado às caldeiras e fornos de cerâmica.

Segundo o site oficial do município, Fernando Daud, engenheiro da Monte Azul, explicou que a usina vai processar até 150 m³ de madeira por hora – em torno de 25 caçambas cheias. A biomassa triturada será vendida para as empresas.

Fonte : TERRA