Irmãos e animais reduzem risco de alergia em crianças, diz estudo

Boa notícia para as famílias que gostariam de ter um cão ou gato, mas hesitam por medo dos filhos se tornarem alérgicos. Segundo cientistas, animais de estimação podem fazer bem para a saúde das crianças.

SXC
Segundo cientistas da Universidade de Melbourne, animais de estimação podem fazer bem para a saúde das crianças
Segundo cientistas da Universidade de Melbourne, animais de estimação podem fazer bem para a saúde das crianças

Eles descobriram que as crianças que foram expostas a animais até os cinco anos de idade tiveram menores taxas de alergia nasal na adolescência.

“Animais de estimação, em especial cães, não precisam ser removidos para evitar alergias. Na verdade, podem até proteger contra elas”, disse Melanie Matheson, da Universidade de Melbourne, principal autora do estudo.

Em uma pesquisa com quase 8.500 adultos da Europa e Austrália, os cientistas focaram aqueles que cresceram em torno de animais domésticos ou de fazenda, e os que sentiam incômodo no nariz, coceira nos olhos e dor de garganta –sintomas que afligem quem sofre de alergias nasais.

No estudo, publicado no “Journal of Allergy and Clinical Immunology”, mais de um em cada quatro entrevistados disse ter alergia nasal. Na maioria dos casos, as alergias começaram na adolescência.

Outros fatores foram associados a um maior risco de alergia, como histórico familiar e mães fumantes durante a gravidez.

Mas a equipe também descobriu que crianças pequenas que conviviam com outras –irmãos, por exemplo, ou porque frequentavam uma creche– tinham riscos menores de alergia nasal. Quanto mais irmãos, menor a chance de desenvolver o problema no futuro.

Os cientistas observaram um padrão semelhante entre as pessoas que cresceram em uma fazenda ou tiveram animais de estimação antes dos cinco anos. Em comparação com as taxas de quem não teve essas experiências na primeira infância, as chances de ter alergias nasais na adolescência eram 30% menores em quem cresceu em fazenda, e 15% entre quem teve um cão ou gato.

Além disso, as pessoas que tinham irmãos e animais tiveram taxas de alergia menores em comparação com quem tinha somente uma ou outra experiência.

Os resultados foram consistentes nos 13 países pesquisados, “apesar das diferenças de animais e fazendas entre os países”, disse Matheson.

Os pesquisadores tiveram informações somente sobre a exposição a animais antes dos cinco anos, por isso não sabem se conviver com eles em uma idade mais avançada teria qualquer efeito sobre o risco de alergia.

Embora os resultados do estudo sejam promissores, seria prematuro sugerir que os pais comprem animais ou tenham mais filhos, disse Jonathan Bernstein, professor de medicina da University of Cincinnati College of Medicine e coautor de um relatório anterior sobre o mesmo tema.

Ainda assim, os resultados fornecem novas evidências de que evitar animais pode não ser a melhor forma de proteger crianças contra alergias, disse Bernstein.

Fonte: Reuters/Folha