Holanda e Grã-Bretanha desaconselham consumo de brotos e sementes crus

Surtos francês e alemão teriam origem na mesma fonte de contaminação

Autoridades de saúde da Holanda e da Grã-Bretanha estão aconselhando a população a evitar a ingestão de brotos e sementes crus. O alerta acontece nesta segunda-feira, após especialistas terem afirmado que as cepas da bactéria Escherichia coli encontradas na Alemanha e na França, e que já mataram mais de 40 pessoas no continente, têm a mesma origem.

Radiação: uma arma pouco convencional pode barrar a E. coli

Investigações iniciais sobre o surto da bactéria E. coli na França têm sugerido uma possível relação com as sementes germinadas produzidas pela empresa britânica Thompson & Morgan. A empresa afirma que está cooperando com as investigações, mas não acredita que suas sementes sejam, de fato, a causa do surto francês.

Já autoridades alemãs relacionaram a epidemia do país aos brotos de feijão contaminados, vindos de uma fazenda orgânica. Os últimos dados divulgados pelo Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças, que monitora a doença na região, mostram que pelo menos 3.688 pessoas foram infectadas na Alemanha — fora os casos dispersos no continente com mesma origem do surto do país.

A Alemanha já registrou 42 mortes até o momento – uma pessoa morreu na Suécia após ser infectada durante uma visita à Alemanha. “Embora ainda não tenha sido provado, é praticamente certo que tanto na França quanto na Alemanha as sementes tenham sido contaminadas no mesmo lugar, seja ele no cultivo ou logo em seguida”, diz Paul Hunter, especialista no assunto e professor da Universidade de Ânglia Oriental, na Inglaterra.

Alimentação — De acordo com o ministro da Holanda, a população do país está sendo orientada a evitar feno-grego, sementes de mostarda, couve e outros brotos. Nove casos de E. coli com relação direta ao surto alemão foram registrados na Holanda.

Segundo Hunter, os surtos da E. coli relacionados a brotos são bastante regulares na Europa e na América, e chegam a acontecer até três vezes ao ano. O especialista afirma ainda que a bactéria pode sobreviver por vários meses em sementes antes da germinação, sendo quase impossíveis detectá-la. “Muita gente gosta de comer sementes germinadas, mas, ao incluí-las na alimentação, deve-se saber que há sempre um risco”, diz Hunter.

Surto francês — O estado de saúde de uma das sete pessoas internadas no sudoeste da França com sintomas de contaminação por E. coli se agravou neste sábado. A informação foi divulgada por autoridades sanitárias do país. Autoridades francesas afirmam que pelo menos duas das pessoas infectadas têm o mesmo tipo da bactéria que infectou milhares na Alemanha.

Fontes: agência Reuters