Ex-favelados descartam lixo, TV e até sofá em córrego de SP

DE RIBEIRÃO PRETO

Durante remoção, moradora da favela do Vila Zanetti joga lixo no córrego Tanquinho, em Ribeirão Preto (SP)

O córrego Tanquinho, que corta duas favelas de Ribeirão Preto (313 km de São Paulo), ficou ainda mais entupido com o lixo e os objetos descartados pelos ex-moradores, removidosneste final de semana para apartamentos do conjunto habitacional Jardim Wilson Toni.

Remoção de favela ocorre sem conflitos em Ribeirão Preto

Na manhã de sábado (30), quando começou a remoção das cerca de 190 famílias das favelas do Brejo e Vila Zanetti, era possível ver peças velhas de roupa, aparelhos de TV e até sofás dentro da água cinza-esverdeada.

Os ex-favelados continuavam a descartar lixo durante a mudança. O secretário da Casa Civil, Layr Luchesi Júnior, disse que o Tanquinho já era poluído, mas que a sujeira aumentou nos dias que antecederam a remoção.

Luchesi afirmou, porém, que a limpeza do córrego deve acontecer a partir dos próximos dias, assim que a destruição da favela estiver finalizada –a remoção de 238 famílias, incluindo as da Vila Elisa, terminou ontem.

A Secretaria do Meio Ambiente também vai providenciar o reflorestamento da área com espécies nativas, segundo Luchesi. “A Mariel [Silvestre, titular da pasta] já está cuidando disso”.

MUDANÇA

A aposentada Flora Moreira, 67, comemorou a saída da favela do Brejo. “Faz cinco anos que eu sofro. Agora, graças a Deus, vou ter um lar outra vez”, disse. Ela e o marido, Sebastião Moreira, 66, foram para a favela depois que, doentes, ficaram sem condições de pagar aluguel.

Segundo a prefeitura, entre 80 e 100 cães e gatos foram retirados das favelas. Eles irão para doação.

Fonte: FOLHA

Foto:  Marcia Ribeiro/Folhapress