Quase 600 rinocerontes são mortos por caçada ilegal na África, diz WWF

Ao menos 588 rinocerontes foram mortos na África ao longo de 2012, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (28) pela organização ambiental WWF. O número equivale a aproximadamente dois animais vítimas de caçadores por dia entre janeiro e novembro deste ano, ainda de acordo com números da instituição.

Para o coordenador do Programa de Preservação dos Rinocerontes Africanos da WWF, Joseph Okori, os espécimes selvagens dos animais podem ser extintos da natureza em dez anos se a caça não for contida. Na África do Sul, principalmente, o rinoceronte é cobiçado por seus chifres, diz a organização, em nota.

“Camponeses na base do sistema econômico podem ganhar dinheiro suficiente para sobreviver muitos meses com dois ou três dias de caçada”, disse Okori, em entrevista para o site da WWF. “Grandes quantias estão em circulação” no mercado ilegal, afirmou.

A demanda por chifres de rinoceronte na Ásia é crescente, especialmente no Vietnã. Uma máquina de moer chifres é vendida por cerca de US$ 450 no país, de acordo com a WWF.

Para o coordenador da WWF, os países precisam adotar medidas para conter a caça e o tráfico ilegal de chifres, bem como outros crimes ambientais. Uma das propostas é criar leis mais duras para condenar a prática, afirmou Okori ao site da instituição.

Okori sugere ainda maior fiscalização contra caçadas ilegais e medidas a serem adotadas pelos países para reduzir a demanda por chifres e marfim de elefante.

Na Namíbia, por exemplo, há um sistema confiável de informações sobre crimes ambientais, que funciona com a ajuda das populações locais. Isso levou o país a ter um dos menores registros de de caçada ilegal da África, segundo a WWF.

Fonte: G1

Rinoceronte no Parque Nacional Kruger, na África do Sul. Pelo menos 588 deles foram mortos neste ano (Foto: Divulgação/Universidade de Virgínia)

Rinoceronte no Parque Nacional Kruger, na África do Sul. Pelo menos 588 deles foram mortos neste ano (Foto: Divulgação/Universidade de Virgínia)

Print Friendly, PDF & Email