Notice: Undefined offset: 0 in /home/dh_pztkek/ambientalsustentavel.org/wp-includes/capabilities.php on line 149

Fatores de Contaminação de Águas Engarrafadas, artigo de Carlos Augusto de Medeiros Filho

A necessidade de fiscalização amostral e de análise química das águas envasadas decorre, entre outras causas, das possibilidades de contaminações dessas águas

Indícios e, portanto, dúvidas quanto a qualidade das águas minerais consumidas em Natal são apresentados por Medeiros Filho (2020). Os dados relatados justificaram a elaboração de propostas de amostragens e análises representativas de águas engarrafadas, expostas para venda em mercados e distribuidores. Esse programa constituiria em uma iniciativa útil e popular e uma maneira segura de garantir para a população, o consumo de águas minerais isentas de concentrações de parâmetros prejudiciais à saúde.

A necessidade de fiscalização amostral e de análise química das águas envasadas decorre, entre outras causas, das possibilidades de contaminações dessas águas. Diduch et al (2012) comentam que a qualidade das águas engarrafadas é resultante de inúmeros fatores, desde a sua composição inicial, passando por um processo de engarrafamento, até às condições em que o produto final é armazenado e transportado.

Em outro artigo, Diduch et al (2011) discutem que as vendas cada vez maiores de águas minerais trazem consigo uma exploração cada vez maior de suas fontes. As consequências disso incluem a deterioração da qualidade das águas subterrâneas, por exemplo, como resultado da entrada de águas subterrâneas adjacentes, muitas vezes expostas à contaminação antrópica. Os autores alertam que não apenas o conteúdo mineral, mas também os níveis de possíveis contaminantes orgânicos devem ser submetidos a constantes medidas de controle de qualidade. Se a água engarrafada não for armazenada nas condições adequadas, ou seja, se for exposta a altas temperaturas e/ou luz solar, pode ser contaminada pelos produtos de degradação do material de que foi feita a garrafa.

Outra defesa de fiscalização analítica em águas engarrafadas pode ser visualizada em Krachler & Shotyk (2009) que relatam que as águas engarrafadas de diversas fontes naturais e industriais estão se tornando cada vez mais populares em todo o mundo. Vários metais traços potencialmente nocivos (Ag, Be, Li, Ge, Sb, Sc, Te, Th, U) não são monitorados regularmente nessas águas. Como consequência, há dados extremamente limitados sobre a abundância e os potenciais impactos na saúde de muitos elementos potencialmente tóxicos. Os recipientes usados para o armazenamento de águas engarrafadas também podem aumentar os níveis de metais acima dos limites estabelecidos para consumo humano.

Em síntese, sem uma fiscalização química robusta, representativa e transparente, o consumidor não pode tomar uma decisão sobre o uso de água engarrafada ou água da torneira e não pode estar seguro da qualidade da água consumida.

Referências Bibliográficas


Medeiros Filho, C.A. 2020. http://cacamedeirosfilho.blogspot.com/2020/08/aguas-minerais-possibilidades-de.html

Diduch, M.; Polkowska, Z.; Namies´nik, J. 2012. Factors affecting the quality of bottled water. Journal of Exposure Science and Environmental Epidemiology advance online publication.

Diduch, M.; Polkowska, Z.; Namies´nik, J. 2011. Chemical Quality of Bottled Waters: A Review. Journal of Food Science Vol. 76, Nr. 9.

Krachler, M.; Shotyk, W. 2009. Trace and ultratrace metals in bottled waters: Survey of sources worldwide and comparison with refillable metal bottles. Science of the Total Environment, 1 0 8 9 – 1 0 9 6.

Carlos Augusto de Medeiros Filho, geoquímico, graduado na faculdade de geologia da UFRN e com mestrado na UFPA. Trabalha há mais de 35 anos em Geoquímica em Pesquisa Mineral e Ambiental.

Fonte: https://www.ecodebate.com.br/2022/06/22/fatores-de-contaminacao-de-aguas-engarrafadas/