Notice: Undefined offset: 0 in /home/dh_pztkek/ambientalsustentavel.org/wp-includes/capabilities.php on line 149

Sai garimpo, fica o mercúrio: saiba quais as consequências para o meio ambiente no Rio Madeira

Depois da repercussão na imprensa e nas redes sociais, operação conjunta foi realizada e apenas uma pessoa foi presa

por Catarina Barbosa, Brasil de Fato

O garimpo ilegal é pratica comum nos rios da Amazônia, mas nas últimas semanas um boato de que haveria ouro nas proximidades do município de Autazes (AM) gerou uma corrida de garimpeiros ilegais até o local. No último sábado (27), uma operação conjunta do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (IBAMA), Marinha e Aeronáutica retirou os garimpeiros do local, mas as consequências para as pessoas que ficam na região é sem precedentes. 

A professora Simone Pereira, da Universidade Federal do Pará (UFPA), que estuda os impactos que a água contaminada causa para as populações tradicionais afirma que os danos causados ao Rio Madeira serão sentidos por muitos e muitos anos.

Pereira tem doutorado em Química pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e atualmente é professora associada II da UFPA. Ela desenvolve pesquisas em vários rios da Amazônia, entre eles, o Rio Murucupi, em Barcarena, o Rio Xingu e o próprio Rio Madeira. 

“Até hoje, na Amazônia, eu desconheço a existência de um rio que foi remediado para mercúrio. Essa é uma atividade muito perigosa e tem o lado da toxicidade do mercúrio que acaba contaminando tudo ao seu redor, inclusive, o próprio garimpeiro. Além disso, o mercúrio causa muitos problemas de saúde, principalmente neurológicos”, afirma. 

Segundo ela, há relatos de crianças e adultos na Amazônia com a Doença de Minamata, uma síndrome neurológica causada por severos sintomas de envenenamento por mercúrio. Os sintomas incluem distúrbios sensoriais nas mãos e pés, danos à visão e audição, fraqueza e, em casos extremos, paralisia e morte.

Simone detalha que existem quatro formas de mercúrio e uma delas é o reativo. De forma simplificada, depois de usado na atividade da mineração, o mercúrio fica solúvel e se agrega a formas de vida que servem de alimentação para os peixes como é o caso do plancton

“O desafio é justamente retirar o mercúrio dessa cadeia. É igual você pegar uma colher de cloreto de sódio (sal) e colocar dentro de um copo de água. Enquanto ele é sal você enxerga, consegue retirá-lo, mas quando você o coloca em um copo d’água você continua a ver o sal? Não. Você não vê mais. A mesma coisa ocorre com o mercúrio reativo. Quando ele chega no rio, ele chega na forma solúvel e é praticamente impossível você recuperar um rio desses”, diz a pesquisadora.


A repreensão policial envolve equipes que entraram pelo rio, por meio de helicópteros e pelas estradas da região. Ao menos 15 balsas foram apreendidas. / Bruno Kelly/Greenpeace

Garimpo ilegal

Entre os anos de 2019 e 2020 foram extraídas cerca de 49 toneladas de ouro com indícios de irregularidades de Terras Indígenas e de Unidades de Conservação, segundo um estudo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Do total de extrações, 90% eram da Amazônia.

“Estamos há anos vendo as consequências para as populações. É comum encontrar criança com queda de cabelo, problemas de coordenação motora  e tremores. Acho que além disso vale dizer que não é para o garimpeiro que devemos olhar com repúdio. Quem está comprando esse ouro? Para onde ele está indo? Os garimpeiros fazem a extração, mas quem compra o ouro deles?”.

Nessa corrida pela mineração ilegal cerca de 1.800 garimpeiros se deslocaram para o Rio Madeira e desse total, apenas um foi preso, o que deixa forte indícios de que eles tiveram acesso a informação de que a operação seria realizada. 

Para o coordenador do Fórum da Amazônia Oriental, Marquinho Mota, os crimes na Amazônia são cometidos com o anuência do governo federal. “A gente vê tráfico de drogas, tráfico de armas, tráfico de ouro, lavagem de dinheiro de uma forma nunca vista antes e de uma forma sem medo com o aval do governo. A pergunta que a gente tem que fazer é quem paga isso?”, questiona. 

https://youtu.be/wielBvbXgv0

O coordenador diz ainda que o maquinário usado na atividade tem valores elevados e irreais de serem adquiridos de forma independente pelos garimpeiros.

“Uma draga dessa que cava ouro não sai por menos que R$ 2 milhões. Quem está pagando isso? Esse dinheiro não fica na Amazônia, esse dinheiro vai embora. Dentro do Brasil, ele vai para São Paulo e fora do Brasil para a bolsa de Nova York. A coisa é muito grande, é a globalização do crime organizado e aqui encontraram terreno fértil. Assim, você tem crime atrás de crime o tempo todo e o governo não faz nada, porque não tem competência, porque não quer ter competência para isso”.
 

Edição: Vivian Virissimo

Imagem: Centenas de balsas e dragas bloqueiam trecho do Rio Madeira (AM) para garimpo ilegal – Bruno Kelly / Greenpeace