Entenda as ondas de frio em um planeta cada vez mais quente

Espanha e China tiveram nevascas extremas; Aquecimento global pode estar por trás do fenômeno

Por Cinthia Leone, ClimaInfo

Em muitos países, as primeiras semanas de 2021 foram extremamente frias. Na China, Pequim registrou a temperatura mais baixa dos últimos 20 anos . E na Espanha, Madri sofreu recentemente uma forte tempestade de neve , a mais intensa desde 1971.

Essas nevascas extremas estão acontecendo ao mesmo tempo em que as agências meteorológicas afirmam que 2020 foi um dos anos mais quentes de todos os tempos. O anúncio confirma uma tendência de aquecimento global, com os seis anos mais quentes registrados correspondendo aos anos de 2015-2020. No longo prazo, os períodos de frio têm ficado mais curtos, e os invernos são projetados para se tornar mais amenos à medida que o planeta aquece. Mas, nos últimos anos, partes do hemisfério norte têm visto um inverno mais rigoroso.

Esses frios extremos, enquanto o mundo aquece, podem simplesmente refletir o fato de que o clima é variável, e tais eventos acontecem por uma questão de acaso. Entretanto, alguns cientistas sugerem que o aquecimento global causado pelo homem (e particularmente o aquecimento do Ártico) pode, de fato, ser um fator por trás dos invernos mais frios em regiões de latitude média – as áreas entre os trópicos e o Ártico – como a América do Norte, Europa e partes da Ásia.

Diversos estudos relacionam diretamente determinados registros de frio em partes do Hemisfério Norte com o aquecimento no Ártico:

• Um estudo de 2014 na Nature Geoscience concluiu que a redução do gelo marinho no Mar de Barents-Kara, no Ártico, mais do que dobrou a probabilidade de invernos rigorosos na Eurásia central.

• Um estudo de 2015 também na Nature Geoscience encontrou uma associação entre temperaturas mais altas no Mar de Barents-Kara e depois nas regiões do Mar Siberian-Chuckchi Oriental (ambos no Ártico) e invernos rigorosos no Leste da Ásia e América do Norte.

• Um estudo de 2018 na Nature Communications observou que à medida que as temperaturas árticas aumentavam, a frequência de invernos rigorosos nas latitudes médias, particularmente no leste dos EUA, também aumentava.

• Um estudo de 2018 da American Meteorological Society conectou as mudanças no vórtice polar no Ártico (ver abaixo) com as tendências de resfriamento no inverno na Eurásia.

Possíveis mecanismos

Apesar da correlação entre o calor do Ártico e o clima frio nas latitudes médias, há um debate científico contínuo sobre como isso ocorre, se é que existe uma ligação entre estes dois eventos. Vários mecanismos foram propostos, incluindo mudanças no fluxo do jato e no vórtice polar.

Fluxo de Jato

O jato é uma corrente de ventos muito fortes, que corre em torno de 10 km acima da superfície da Terra, circundando as latitudes médias e altas altitudes. Ele é criado pelo contraste entre as temperaturas frias nos pólos e o calor no equador. Mudanças na trajetória do fluxo de jato podem fazer com que as massas de ar quente ou frio se movimentem de um lugar para outro.

À medida que o Ártico aquece, o seu movimento natural diminui, o que enfraquece o transporte das massas de ar. Um fluxo de ar mais fraco facilita a ocorrência de “aprisionamento” de massas de ar sobre um lugar. Isto pode levar a condições climáticas mais persistentes em locais específicos, que podem causar eventos extremos, tais como ondas de calor, seca ou ondas de frio.

Este artigo de 2018 inclui uma explicação mais profunda do fluxo de jato e como as mudanças no Ártico podem afetar os padrões meteorológicos em latitudes médias.

Vórtice polar

Um vórtice polar é uma área de baixa pressão de ar frio observada ao redor das regiões polares. Tipicamente, o vórtice polar mantém o ar frio concentrado sobre o pólo. Mas se o vórtice for perturbado, o ar frio que normalmente está sobre o Ártico vai sendo deslocado para o sul, fazendo com que as temperaturas caiam mais na América do Norte e Eurásia.

Estudos observacionais sugerem que o aquecimento do Ártico e a perda de gelo marinho podem perturbar o vórtice polar, provocando picos de frio na América do Norte e Eurásia. Entretanto, em simulações de modelos climáticos, o aquecimento do Ártico é insuficiente para interromper o vórtice polar – sugerindo que os modelos estão ignorando outros fatores ou que o resfriamento dos continentes ocorre através de um mecanismo diferente.

Você pode encontrar uma discussão mais detalhada sobre isto neste artigo de 2019 publicado na Nature Climate Change. Para mais informações sobre o vórtice polar e sua conexão com os padrões do clima frio, visite o site da NOAA , Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos EUA.

Ecodebate: https://www.ecodebate.com.br/2021/01/19/entenda-as-ondas-de-frio-em-um-planeta-cada-vez-mais-quente/