Desmatamento da Amazônia em março bate recorde e é o maior dos últimos seis anos

Destruição cresceu 12% em relação ao mesmo mês de 2020; janeiro e fevereiro tinham apresentado queda.

Como funciona o monitoramento do desmatamento
Fotos de Satélite do INPE mostrando o desmatamento acumulado do período. Foto: INPE/Reprodução.

por Philippe Watanabe na Folha de São Paulo

O desmatamento mensal na Amazônia voltou a crescer em março e bateu o recorde para o mês no histórico recente do Deter, sistema de monitoramento de desmate do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), com início em 2015.

O Deter tem a função de auxiliar órgãos de fiscalização ambiental em ações de combate a crimes. Os dados da plataforma, porém, podem ser usados para observar o avanço do desmatamento no bioma.

Os dados do Inpe, atualizados nesta sexta (9), apontam 367,61 km² de desmatamento. O recorde anterior pertencia a 2018, com 356,6 km² destruídos, seguido por 2020, com 326,49 km² derrubados.

A destruição da floresta em março teve crescimento de 12,6% em relação a março de 2020, ano em que o desmatamento atingiu os níveis mais elevados dos últimos 12 anos, mesmo em meio à pandemia da Covid-19.

Historicamente, os próximos meses tendem a ter números maiores de desmatamento, com a aproximação da temporada seca na floresta, período que concentra a derrubada de floresta e queimadas na Amazônia.

Além da perda de biodiversidade, o desmate tem outro impacto relevante: emissão de gases-estufa. A destruição da Amazônia é a principal fonte de emissões do Brasil.

Internacionalmente, o país tem sido pressionado para colocar por ações no combate ao desmatamento, cobrança que deve ser intensificada durante a gestão do democrata Joe Biden, presidente dos EUA. Enquanto isso, o bilionário Fundo Amazônia, que financiava medidas de combate a desmatamento e incêndios, foi paralisado e posteriormente terminado na gestão Jair Bolsonaro (sem partido).

Janeiro e fevereiro tiveram redução de desmatamento, o que era comemorado pelo vice-presidente Hamilton Mourão, chefe do Conselho da Amazônia, como uma tendência de queda de desmate. Nos meses de redução, Mourão vinha se antecipando ao Inpe e divulgando os dados de desmatamento antes da disponibilização dos mesmos na plataforma do instituto.

Ministério da Defesa também chegou a celebrar a redução de desmate em fevereiro e atribuiu a diminuição à Operação Verde Brasil 2, que colocou militares na floresta para combate ao desmatamento.

No entanto, os números de destruição da Amazônia permanecem elevados apesar da presença militar dos últimos anos. O uso do Exército para combate ao desmate tem sido questionado por especialistas, que apontam que os militares deveriam somente auxiliar as ações de fiscalização de órgãos ambientais especializados no combate ao desmate.

Alguns meses de 2020 também apresentaram diminuição no desmatamento, mas em relação a meses de 2019 com recordes de destruição, acima de 1.000 km² e 2.000 km² de floresta derrubada.

Folha de São Paulo: https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2021/04/desmatamento-da-amazonia-em-marco-bate-recorde-e-e-o-maior-dos-ultimos-seis-anos.shtml#:~:text=O%20recorde%20anterior%20pertencia%20a,%C3%A0%20pandemia%20da%20Covid-19.