Brasil com mais de 10 mil mortes da covid-19 por semana, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Foto: Bruno Kelly/Reuters

[EcoDebate] O Brasil está passando pelo pior momento da pandemia com a maior média móvel de 7 dias do número de casos e de mortes batendo todos os recordes. O montante de vidas perdidas para a covid-19 ficou em 10,4 mil óbitos na primeira semana de março, um número superior a 2 vezes todas as mortes da China que acumulou 4.636 mortes durante toda a pandemia.

Todavia, a tristeza não tem fim, já que o número de mortes deve ser ainda maior na semana que começa no Dia Internacional da Mulher. Já existem previsões estimando 3 mil mortes ao dia no Brasil. Com não existe controle da transmissão comunitária do vírus e como a vacinação está atrasada e caminhando em um ritmo lento, tudo indica que a pandemia vai continuar se espalhando pelo país ao longo de 2021 e o Brasil se tornará um celeiro de novas cepas do coronavírus, podendo haver multiplicação das mutações do SARS-CoV-2. Como disse o jornalista Jamil Chade: “O Brasil deixou de ser pária internacional para se transformar em ameaça global”.

O gráfico abaixo, agregando os dados do CONASS, mostra que o Brasil chegou a mais de 11 milhões de casos e a 265,4 mil vidas perdidas no dia 07 de março de 2021. O domingo bateu o recorde de casos (80,5 mil) e mortes (1.086) para este dia da semana. O coeficiente de incidência ficou em 5,2 mil casos por 100 mil habitantes e o coeficiente de mortalidade em 126,3 mortes por 100 mil habitantes. A taxa de letalidade ficou em 2,4%.

As médias móveis de 7 dias chegaram ao recorde de 66,8 mil casos diários e 1.496 mortes diárias. O quadro é desanimador e o Brasil está virando um epicentro da pandemia global. O Brasil que tem 2,7% da população mundial apresentou no domingo cerca de 20% dos casos e das mortes globais, ultrapassando inclusive os números diários dos EUA que eram o líder isolado na triste contabilidade da doença.

painel covid 19

O Brasil já ultrapassou os EUA e a União Europeia em número de casos e mortes por tamanho da população. Os gráficos abaixo, do jornal Financial Times, mostram que os coeficientes diários de incidência (gráfico da esquerda) e de mortalidade (gráfico da direita) do Brasil estavam mais baixos, mas ultrapassaram os valores dos EUA e da União Europeia.

coeficientes de incidência e de mortalidade covid 19

O gráfico abaixo, da Organização Mundial da Saúde (OMS), mostra, que ao contrário do Brasil, o número de casos semanais da covid-19 no mundo diminuíram muito desde o início de janeiro, embora tenha estabilizado nas 3 últimas semanas. Na semana de 03 a 09 de janeiro aconteceram 728 mil casos diários e caiu para cerca de 380 mil casos nas últimas semanas.

03 a 09 de janeiro 728

O gráfico abaixo, também da Organização Mundial da Saúde (OMS), mostra que o número de mortes estão diminuindo consistentemente. Até o final de janeiro o número diário de vidas perdidas estava em torno de 14 mil óbitos diários, mas caiu nas semanas seguintes e ficaram abaixo de 9 mil óbitos diários na semana passada.

número de óbitos da covid 19 no mundo

O gráfico seguinte, do jornal Financial Times, faz um apanhado do número de mortes desde o mês de março de 2020 por regiões. Nota-se que a primeira onda teve um pico em abril com cerca de 7 mil mortes diárias. Este número caiu nos meses seguintes, mas uma segunda onda começou em novembro com o pico em janeiro. No mês de fevereiro houve redução no número de vidas perdidas. A Europa e os EUA concentraram a maior parte das mortes até abril de 2020, a América Latina virou um epicentro nos meses seguintes, mas a Europa e os EUA voltaram a apresentar os maiores números. Todavia, com o fim do inverno no hemisfério norte as mortes estão com tendência de queda, enquanto na América Latina estão com tendência de alta.

mortes por covid 19 no mundo por região

Para interromper esta situação dramática, o Brasil precisa garantir um maior distanciamento social e avançar com o processo de vacinação. O país está atrasado. Assim, lastimavelmente, o mês de março deve bater todos os recordes negativos.

As mulheres estão sendo profundamente afetadas pela pandemia e o Dia Internacional das Mulheres deve ser um momento de reflexão e de mobilização, mesmo que virtual, para mudar esta situação.

José Eustáquio Diniz Alves
Colunista do EcoDebate.
Doutor em demografia, link do CV Lattes:http://lattes.cnpq.br/2003298427606382

Referências:

ALVES, JED. A pandemia de Coronavírus e o pandemônio na economia internacional, Ecodebate, 09/03/2020
https://www.ecodebate.com.br/2020/03/09/a-pandemia-de-coronavirus-covid-19-e-o-pandemonio-na-economia-internacional-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. A covid-19 bate todos os recordes globais em novembro, Ecodebate, 16/11/2020
https://www.ecodebate.com.br/2020/11/16/a-covid-19-bate-todos-os-recordes-globais-em-novembro/

ALVES, JED. O impacto mortal da covid-19 sobre a economia e a demografia brasileira, ANPOCS, 11/05/2020
http://anpocs.com/images/stories/boletim/boletim_CS/Boletim_n37.pdf

ALVES, JED. Passado, Presente e Futuro da Pandemia da Covid-19, Instituto Fernando Braudel, SP, 11/06/2020
https://pt.scribd.com/document/465506796/O-passado-o-presente-e-o-futuro-da-pandemia-do-novo-coronavirus

Vídeo: https://www.facebook.com/watch/live/?v=293538905150329&ref=watch_permalink

ALVES, JED. A covid-19 bate todos os recordes globais em novembro, Ecodebate, 16/11/2020
https://www.ecodebate.com.br/2020/11/16/a-covid-19-bate-todos-os-recordes-globais-em-novembro/

José Gomes Temporão, Carlos Gadelha, José Eustáquio Alves e Alberto Carlos Almeida. Vacinas, Política, Economia e Desenvolvimento Tecnológico, Live, 28/01/21
https://www.youtube.com/watch?v=8gFWznXkO8A

Ecodebate:https://www.ecodebate.com.br/2021/03/08/brasil-com-mais-de-10-mil-mortes-da-covid-19-por-semana/