Mais de 25 mil tubarões foram abatidos para exportação criminosa para a China

A megaoperação da alfândega peruana interveio contra o envio de remessas de barbatanas de tubarão de origem suspeita que seriam enviadas para a Ásia. Até o momento, foi estimado em mais de 25 mil animais mortos nos mares da fronteira com o Equador, vários deles na lista de espécies ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

Uma das maiores remessas de barbatana de tubarão suposta origem ilegal no Peru -25 toneladas no valor de US $ 630.000 e teve a China como destino foi apreendida pela Aduana da Superintendência Nacional de Administração Tributária (SUNAT) em Callao durante uma megaoperação para combater supostas organizações dedicadas à extração e ao tráfico de espécies aquáticas em perigo de extinção.

A operação – realizada na semana passada pela Brigada de Operações Especiais (BOE) da Alfândega – descobriu vários contêineres com entre 100 e 150 sacas que continham milhares de barbatanas dorsais de espécies que foram preliminarmente identificadas como pertencentes ao tubarão azul ( prionace glauca ) e ao tubarão raposa ( Alopius pelagicus ), entre outros, incluídos na lista vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza ( IUCN ).Até o final da edição os agentes aduaneiros continuavam a contar espécimes individuais que foram abatidos nos mares do norte do Peru e do Equador. Estima-se que 25.000 indivíduos foram abatidos, com base em suas barbatanas dorsais.

O número de espécimes abatidos pode crescer nas próximas horas quando for concluída com a revisão total de 25 toneladas de material encontrado em armazéns do porto Callao. “O preço desta exportação de barbatanas parece pouco (US $ 630.000) em comparação com o valor do ouro, madeira e outras matérias-primas enviados ao exterior, mas o dano final à natureza e ao ecossistema marinho é inestimável”, disse um dos responsáveis ​​pelas investigações.

A investigação estabeleceu que as empresas Angaff SAC, Huiman SAC e Lamarqocha Inversiones SAC com sede em Lima; Inversiones Peru Flippers de Callao EIRL; e Tide Blue EIRL de Tumbes são os donos das cargas. De acordo com informações financeiras, essas empresas foram criadas nos últimos cinco anos e fazem importações do Equador e exportações para a China continental e Hong Kong, mercados que vendem barbatanas de tubarão em restaurantes ou industrializar por suas propriedades afrodisíacas alegados.

“Estima-se que mais de 25 mil

espécimes de tubarão foram abatidos,

de acordo com o número de barbatanas

interceptadas pela alfândega”

Atualmente, o Peru é o terceiro exportador mundial de barbatanas de tubarão e o maior fornecedor latino-americano desse produto para a China, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). O Equador está proibido de exportar as barbatanas de tubarão .