Estudo revela diminuição da água nos rios Tigre e Eufrates

Satélites americanos detectaram uma grande diminuição das reservas de água nos rios Tigre e Eufrates em um período de sete anos, a partir de 2003, segundo um novo estudo que deve ser publicado nesta sexta-feira na revistaWater Resources Research, periódico da União Geofísica Americana. O estudo foi realizado por cientistas da Universidade da Califórnia, do Centro de Voos Espaciais Goddard, da NASA, e do Centro Nacional de Pesquisas Atmosféricas.

Os leitos desses rios, cujas águas irrigam parte do Iraque, Irã, Turquia e Síria, perderam o equivalente a um Mar Morto, determinou o estudo. “É uma quantidade de água suficiente para satisfazer as necessidades de milhares de pessoas na região a cada ano, dependendo das regras de uso regional e a disponibilidade”, afirmou Jay Famiglietti, coordenador da pesquisa.

O estudo baseia-se nos dados recolhidos durante um período de sete anos pelos satélites GRACE, da NASA, que vigiam as mudanças globais nas reservas de água. De acordo com as variações nas reservas de água em uma determinada região, os satélites medem a gravidade das transformações e seus impactos.

“Os dados dos GRACE mostram um índice alarmante de queda no armazenamento total de água no Tigre e Eufrates, que atualmente possuem a segunda taxa de perda mais rápida de águas subterrâneas da Terra, depois da Índia”, indicou Famiglietti.

Parte desta diminuição foi atribuída à seca de 2007 — 60% da diminuição da água foi resultado do bombeamento de água subterrânea. Neste sentido, Famiglietti destacou o Iraque, que perfurou 1.000 novos poços em resposta à seca de 2007.

A Turquia é quem manda nas nascentes dos rios Tigre e Eufrates e possui um projeto de infraestrutura e de reservatórios que controla quanta água é liberada para a Síria, Irã e Iraque. Como a bacia não é coordenada em conjunto por esses países, o controle turco e a distribuição para os outros países é motivo de rivalidade na região, como aconteceu durante a seca de 2007, quando a Turquia desviou água para a agricultura local.

“A diminuição no fluxo de água põe muita pressão sobre os vizinhos. As Nações Unidas relataram que residentes do Norte do Iraque tiveram que cavar poços assim que notaram o declínio na quantidade de água. Isso é um problema em um ambiente social, político e economicamente frágil”, disse Katalyn Voss, principal autora da pesquisa.

CONHEÇA A PESQUISA
Título original: Groundwater depletion in the middle east from GRACE with implications for transboundary water management in the tigris-euphrates-western iran region
Onde foi divulgada: periódico Water Resources Research
Quem fez: Katalyn A. Voss, James S. Famiglietti, MinHui Lo, Caroline de Linage, Matthew Rodell, Sean C. Swenson
Instituição: Universidade da Califórnia, Centro de Voos Espaciais Goddard, da NASA, e Centro Nacional de Pesquisas Atmosféricas
Dados de amostragem: dados recolhidos durante um período de sete anos pelos satélites GRACE da NASA
Resultado: Os leitos dos rios Tigre e Eufrates, cujas águas irrigam parte do Iraque, Irã, Turquia e Síria, perderam o equivalente a um Mar Morto

Foto: opalpeterliu / Creative Commons

Fonte: VEJA

Os leitos desses rios, cujas águas irrigam parte do Iraque, Irã, Turquia e Síria, perderam o equivalente a um Mar Morto em sete anos de observação via satélite

Os leitos desses rios, cujas águas irrigam parte do Iraque, Irã, Turquia e Síria, perderam o equivalente a um Mar Morto em sete anos de observação via satélite