Bactéria sintética pode combater infecção hospitalar

Variante da ‘Escherichia coli’ projetada em laboratório detecta e destrói a ‘Pseudomona aeruginosa’, que ataca pacientes com sistema imunológico fraco

Imagem de bactérias Psedomona aeruginosa ampliadas 27.000 vezes. A bactéria é responsável por infecções oportunistas, que podem matar pessoas com o sistema imunológico debilitado, principalmente em hospitais (Latinstock)

Biólogos de Singapura projetaram uma bactéria sintética que detecta e destrói a Pseudomona aeruginosa, uma dos principais causadoras das infecções hospitalares. Os cientistas, que publicaram seu trabalho nesta terça-feira na revista Molecular Systems Biology, esperam que esta tecnologia sirva para desenvolver novos métodos para combater bactérias resistentes a antibióticos.

Esta é a primeira vez que uma bactéria sintética consegue detectar e eliminar um agente patogênico específico em um cultivo de laboratório, disse um dos criadores, Matthew Wook Chang, da Universidade Tecnológica Nanyang de Singapura.

Segundo Chang, o próximo passo será experimentar em animais, antes que se possam realizar testes clínicos com humanos.

Resistência — P. aeruginosa pode causar infecções respiratórias e gastrointestinais potencialmente letais em pacientes gravemente doentes e com o sistema imunológico fraco, sobretudo em hospitais. A bactéria é cada vez mais resistente aos antibióticos, o que torna mais urgente a necessidade de novos tratamentos, afirma o estudo.

Para combatê-la, os pesquisadores desenvolveram uma variante da Escherichia coli, uma bactéria presente no intestino dos humanos, que, combinada com partes da própria P. aeruginosa, pode detectá-la e destruí-la.

Segundo seus criadores, a vantagem deste sistema em relação aos antibióticos é que permite prevenir as infecções. “Nossas bactérias projetadas podem destruir os patógenos infecciosos que penetram no intestino, inclusive antes que se produza uma infecção grave.”

Fonte :  Agência EFE _ VEJA