Mudanças climáticas ameaçam sobrevivência do pinguim africano, alerta estudo

As mudanças climáticas e a pesca excessiva deixaram os jovens pinguins africanos, espécie em risco de extinção, confusos sobre onde encontrar comida, e eles estão morrendo em grande quantidade em consequência disso – disseram pesquisadores nesta quinta-feira (9).

Um estudo publicado na revista científica “Current Biology” descreve uma situação difícil para os pinguins africanos, cuja população jovem deve reduzir em 50% em algumas das áreas mais afetadas da costa da Namíbia e da África do Sul, segundo projeções.

“Nossos resultados mostram que os pinguins africanos ficam presos, buscando comida nos lugares errados, devido à pesca e às mudanças climáticas”, disse o autor principal do estudo, Richard Sherley, da Universidade de Exeter e da Universidade de Cape Town.

O problema aparece quando os pinguins jovens deixam suas colônias pela primeira vez e viajam longas distâncias, procurando no oceano sinais de áreas com abundância de peixes e plânctons.

Esses sinais incluem áreas do mar com baixas temperaturas e alta clorofila, o que indica a presença de plâncton e, provavelmente, de peixes que se alimentam deste, como sardinhas e anchovas.

“Estas eram pistas confiáveis para águas ricas em presas, mas as mudanças climáticas e a pesca industrial reduziram as reservas de peixes nesse sistema”, disse Sherley. “Esses sinais agora podem levá-los a lugares onde esses peixes, a principal presa dos pinguins, são escassos”, acrescentou.

 

Satélite

 

Os pesquisadores usaram satélites para rastrear pinguins africanos jovens de oito locais em toda sua área de reprodução.

Eles descobriram que muitos pinguins estavam ficando presos no Grande Ecossistema Marinho da Corrente de Benguela, uma área que se estende do sul de Angola até Cape Point, no Cabo Ocidental da África do Sul.

A região sofre há décadas com a sobrepesca e as mudanças ambientais, que reduziram a quantidade de peixes. “Os pinguins ainda vão para locais onde o plâncton é abundante, mas os peixes não estão mais lá”, completou Sherley. Os pinguins jovens que vão parar ali com frequência morrem de fome.

“Seus números de reprodução estão cerca de 50% mais baixos do que estariam se eles encontrassem seu caminho para outras águas, onde o impacto humano é menos grave”, explicou o estudo.

Os pinguins africanos são considerados uma espécie ameaçada pela União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), com cerca de 50 mil exemplares restantes na Namíbia e na África do Sul, devido principalmente à escassez de alimentos.

Fonte: G1

http://g1.globo.com/natureza/noticia/mudancas-climaticas-ameacam-sobrevivencia-do-pinguim-africano-alerta-estudo.ghtml

Print Friendly, PDF & Email