Cerca de 3 mil pessoas são vítimas de tráfico para trabalho forçado no Brasil, diz agência da ONU

Segundo relatório do UNODC, entre 2010 a 2012 foram acusadas 257 pessoas por crimes de tráficos de pessoas e outros crimes relacionados. Destes, apenas 35 pessoas foram condenadas.

No Brasil, cerca de 3 mil pessoas por ano são vítimas de tráfico para trabalho forçado e condições análogas à escravidão, de acordo com o Relatório Global 2014 sobre Tráfico de Pessoas, divulgado nesta segunda-feira (24) pelo Escritório da ONU sobre Drogas e Crime (UNODC).

Segundo a publicação, a maioria das vítimas constatadas no Brasil nas diferentes formas de exploração são brasileiras. Da América Latina, bolivianos e peruanos são constantemente traficados no Brasil.

Em relação ao tráfico de pessoas para exploração sexual, o número subiu de 59 em 2010 para 145 em 2012. Parte das vítimas são traficadas para a Europa.

Entre 2010 e 2012, foram acusadas 257 pessoas por crimes de tráficos de pessoas e outros crimes relacionados no Brasil. Destes, apenas 96 pessoas foram processadas e 35 condenadas, sendo 13 estrangeiros e 22 brasileiros.

No mesmo período também foi constatado um maior envolvimento de mulheres com o tráfico de pessoas no país. Do total de acusados, 81 eram mulheres. Destas 26 foram processadas e 11 condenadas.

A autoridades brasileiras informaram que a atual legislação sobre o tráfico de pessoas no Brasil criminaliza o tráfico nacional e internacional para fins de exploração sexual.

Já a criminalização do tráfico para trabalho forçado é embasada de acordo com a legislação sobre o trabalho em condições análogas à escravidão. Além disso, as autoridades nacionais também relataram o uso da legislação contra a adoção ilegal e a lei para transplantes para julgar casos de tráfico de pessoas.

http://www.mercadoetico.com.br/arquivo/cerca-de-3-mil-pessoas-sao-vitimas-de-trafico-para-trabalho-forcado-no-brasil-diz-agencia-da-onu/

Fonte: ONU

PrintFriendly and PDF