Casal brasileiro de empreendedores cria chuveiro ecológico

A praticidade do chuveiro está alinhada com o compromisso com o meio ambiente/Foto: Reprodução

A praticidade do chuveiro está alinhada com o compromisso com o meio ambiente/Foto: Reprodução

“A necessidade faz o homem”, já diz o ditado popular. E ideias inovadoras surgem, na maioria das vezes, a partir dessa necessidade. Foi assim que o casal de empreendedores e inventores do Rio de Janeiro, Jorgea Marangon e Mauro Serra, sócios da microempresa ATA – AguaTerraAr, criou um chuveiro ecológico que usa gás para aquecimento e promete um menor impacto nas fontes de água e energia, assim como no bolso do consumidor.

A criação intitulada “chuveiro a gás NC” rendeu ao casal em 2010, o Prêmio Brasil de Meio Ambiente, concedido pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), na categoria Pequena e Micro Empresa.

Segundo os inventores, o produto gera uma economia de 1.000% em energia em relação ao similar elétrico, já que o custo de manter o chuveiro a gás ligado é de R$ 0,53 por hora, e um convencional, aquecido à energia elétrica, custa R$ 5,30 para aquecer a água, no mesmo período. Outra inovação do equipamento é a utilização de água retirada da umidade do ar e a emissão quase nula de CO2.

De acordo os fabricantes, o chuveiro NC é de fácil manuseio e instalação, já que dispensa qualquer tipo de obra, e só precisa ser pendurado. O porte pequeno permite que ele seja instalado em qualquer local, como residências, acampamentos, campings, trailers, embarcações, pesqueiros e até pendurado em uma árvore.

Feito de cobre, alumínio, aço inox e ferro fundido, o chuveiro pesa 3,2 kg e, de acordo com a engenheira Jorgea, o aparelho consome no máximo 120g/h de gás, o que equivale a um quarto do consumo dos aquecedores convencionais. “Um botijão de 13 kg dura, em média, de 120 a 150 dias com banhos diários de uma hora. E cada botijão equivale a dez árvores de médio porte em termos de produção energética. Seu uso evita a queima, no Brasil, de 3,5 bilhões de árvores por ano”, contabilizou a engenheira ao portal da Agência Sebrae de Notícias.

Conforme o Sebrae, a produção começou em 2008 com quatro chuveiros e faturamento mensal médio de R$ 1,2 mil. Hoje, a empresa produz 40 peças por mês, vendidas por R$ 345,00 cada uma. O faturamento mensal pulou para R$ 10,3 mil.

Estudo defende o chuveiro elétrico

Presente em 73% das residências brasileiras e com fama de vilão das contas de luz, o chuveiro elétrico foi tido como mais econômico do que os aparelhos dotados de aquecedores solares e a gás, segundo estudo do Centro Internacional de Referência em Reuso de Água (Cirra/Poli) da USP (Universidade São Paulo), divulgado em março deste ano pelo EcoD.

De acordo com o estudo, em um ano, a média do consumo de água no chuveiro elétrico foi de 4,2 litros por minuto (l/min). O chuveiro híbrido solar – um aquecedor solar com um chuveiro elétrico na ponta, portanto, uma alternativa ao aparelho tradicional – obteve uma média anual de 4,1 l/min, representando um número 2,3% menor que o consumo do chuveiro elétrico.

Por outro lado, o aquecedor a gás obteve uma média de 8,7 l/min, ou seja, 207% maior que o consumo do chuveiro elétrico. Embora seja o movido a gás seja o campeão, as outras formas de aquecimento não ficam para trás. O aquecedor solar obteve uma média de 8,4 l/min, número 200% maior que o consumo do chuveiro elétrico e o boiler elétrico obteve uma média de 8,5 l/min, 202% maior que o consumo do chuveiro elétrico.

Economia na conta

O chuveiro elétrico também faz diferença no bolso, conforme o estudo. Um banho de oito minutos custa, em média, R$ 0,27 (entre consumo de água e energia elétrica) no chuveiro híbrido solar e R$ 0,30 no chuveiro elétrico. Por sua vez, o mesmo banho sai por R$ 0,46 (53,3% a mais do que o chuveiro elétrico) com aquecedores solares tradicionais, 96,6% mais caro (R$ 0,59) com aquecedores a gás e 246,6% a mais (R$ 1,08) com o boiler elétrico.

No entanto, há quem conteste o estudo, sob a alegação de que ele desconsidera os sistemas de reaproveitamento de calor nos sistemas elétricos. “Eu utilizo um sistema destes e a economia na conta foi perceptivel (não sei o percetual). Além disso, o reaproveitamento do calor permite que se utilize a chave de seleção da temperatura sempre abaixo do costume”, relatou o internauta Marcelo, que acessa ao EcoD.

 Fonte: Portal EcoD. http://www.ecodesenvolvimento.org/posts/2012/maio/casal-brasileiro-de-empreendedores-criam-chuveiro#ixzz3IJQWKwIb 

 

Print Friendly, PDF & Email