The Rio Climate Challenge 2013: Acompanhe o debate da conferência sobre mudanças climáticas

O evento foi realizado pelo Instituto OndAzul, na sede da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), no Centro do Rio de Janeiro. A conferência foi realizada durante dois intensos dias de discussão, onde foi possível redigir um documento que representará o Brasil na Conferência das Partes da Convenção-Quadro (COP 19), da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre Mudanças do Clima, em Varsóvia, na Polônia, de 11 a 22 de novembro.

Principais pontos debatidos:

1- Os custos das mudanças climáticas no Rio de Janeiro: Segundo Carlos Eduardo Young, do Instituto de Economia da UFRJ, o Rio perdeu cerca de R$ 50 bilhões com desastres naturais em uma década! Young disse ainda que as estimativas não incluem as perdas com a tragédia na Serra Fluminense, causadas pelas chuvas de 2011, e do Morro do Bumba, em Niterói, em 2010. Young participou do debate e foi contrário a outros participantes que defendiam a inclusão de alguma metodologia que considerasse as emissões de carbono nos indicadores de desempenho econômico dos países.

“Temos que pensar indicadores de qualidade de vida, como, por exemplo, tempo de deslocamento urbano, qualidade do ar etc, e aí veremos qual o impacto das mudanças climáticas nesse indicador”, afirmou ele, lembrando que, desde 1991, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) falava em calcular um “PIB Verde”, mas que isso nunca se concretizou.

Fonte: O Globo

Fonte: O Globo

2- A dificuldade de se entender mudança climática na política mundial: O deputado do Parlamento Europeu Daniel Cohn-Bendit falou sobre as dificuldades de se levar as preocupações climáticas para a política. ” Temos que argumentar com a população que as ações de hoje são para evitar uma catástrofe daqui a 20 anos. O desafio para os políticos é que, se os políticos realmente se importarem com as mudanças climáticas tomarão medidas que tornarão a vida de quem votou neles mais difícil”, acrescentou, questionando se as pessoas vão votar naqueles que tornam sua vida mais difícil.

O Globo

Fonte: O Globo

3- ”Luz para todos” poderia ser sustentável usando energia solar para o Norte do Brasil: O diretor da PSR Soluções e Consultoria em Energia, Rafael Kelman, afirmou que a energia solar é uma opção mais sustentável para programa federal “Luz para Todos” levar o serviço de forma mais sustentável à região Norte do país. ”Hoje, 1,6 bilhão de pessoas no mundo não têm energia elétrica em casa e diversas experiência têm demonstrado que a energia solar é uma opção para levar o serviço a comunidades afastadas. O mesmo poderia ser feito nas áreas da região Norte do Brasil, onde é necessário levar combustível para gerar eletricidade atualmente”, afirmou Kelman.

O Globo

O Globo

4- Eliminação de subsídios ao combustível fóssil reduziria emissões de CO2 em 15%: O economista sênior do Departamento Fiscal do Fundo Monetário Internacional (FMI), Masahiro Nozaki, afirmou que a questão dos subsídios aos combustíveis fósseis afeta todos os países do mundo, inclusive os EUA e o Japão. Segundo Nozaki, essa prática tem várias outras consequências negativas para a economia mundial, como mostra seu livro Reforma do Subsídio à Energia, publicado este mês pelo organismo internacional, baseado em 22 estudos de caso. Segundo o economista, o estudo aponta ainda que eliminar os subsídios poderia reduzir as emissões de CO2 em 15 milhões de toneladas, uma queda de 15% sobre o patamar atual.

Fonte: O Globo

Fonte: O Globo

A última hora da Conferência foi dedicada ao debate sobre que indicadores seriam os mais adequados para o desenvolvimento de indicadores paralelos ao Produto Interno Bruto (PIB) para avaliar a evolução da sustentabilidade. Presenciamos o debate de diferentes correntes científicas divergentes, entretanto, todas levavam em conta que a qualidade de vida deve ser um quesito fundamental em tal análise.

Seguimos ainda sem uma equação simples, capaz de comparar os danos que a falta de sustentabilidade acarreta a nossa qualidade de vida. Horas no trânsito, poluição sonora, falta de lazer são apenas alguns dos itens que devem ser considerados por essa equação. O debate irá continuar por algum tempo e iremos acompanhá-lo de perto.

Fonte: Ambientalistas Na Rede

Fonte: Ambientalistas em Rede

 (Ambientalistas Em Rede)
Fonte: http://ambientalistasemrede.org/the-rio-climate-challenge-2013-acompanhe-debate-conferencia-mudancas-climaticas/

PrintFriendly and PDF