São Sebastião pede que banhistas evitem nove praias da cidade

A Vigilância Sanitária alerta os moradores e turistas para que evitem as praias do centro e costa norte de São Sebastião. Os locais podem ter sido afetados por um vazamento de derivados de petróleo, ocorrido na noite desta sexta-feira (5), em uma das redes do píer do Terminal Aquaviário Almirante Barroso (Tebar). De acordo com a Cetesb, o vazamento foi causado por um problema em uma válvula.

Segundo comunicado da prefeitura, a medida tem como base o princípio da precaução, “já que não se sabe a dimensão da contaminação até o presente momento”. As praias que devem ser evitadas, de acordo com a administração municipal, são: Porto Grande, Deserta, Pontal da Cruz, Arrastão, Portal da Olaria, São Francisco, Figueira, Cigarras e Enseada.

De acordo com a Capitania dos Portos, não há indícios de que o vazamento tenha afetado as condições de balneabilidade das praias da região e ainda não se sabe a quantidade exata de óleo que vazou, mas estima que o vazamento não seja de grandes proporções. “Aparentemente o vazamento é pequeno. Vai de uma extensão desde o centro da cidade até o bairro São Francisco. Esse trecho, por terra, tem cerca de cinco quilômetros, mas o que há no mar são pequenas manchas de óleo espalhadas nessa extensão”, explicou ao G1 o capitão de fragata Alexandre Motta de Sousa, delegado da Capitania dos Portos.

Ainda de acordo Sousa, a Petrobras realizou as ações de contenção logo que detectou o vazamento, que já foi controlado. Foram lançadas barreiras de contenção e estão sendo utilizados helicópteros na identificação de eventuais manchas de óleo que possam ter escapado desses limites.

Arte - Praias atingidas por vazamento de óleo em São Sebastião (Foto: Editoria de Arte/ G1)

“Pelo fato do vazamento ter acontecido à noite, ficou difícil visualizar a extensão no exato momento em que aconteceu, mas hoje a Petrobras está fazendo esse trabalho. A Companhia de Docas também auxilia nesse processo e todos os recursos necessários e disponíveis estão sendo usados no trabalho”, disse.

O delegado da Capitania dos Portos também afirmou que as condições climáticas ajudam o trabalho para remoção do óleo. “Desde o contato com o água já há um prejuízo ao meio ambiente, mas agora é preciso concentrar as atenções para retirar o óleo o quanto antes. E o clima hoje está ajudando, tornando mais fácil remover as manchas”, afirmou.

Outro lado
Por meio de nota, a Transpetro informou que as causas do incidente estão sendo apuradas e que profissionais estão trabalhando para retirar o óleo do mar. Veja a íntegra da nota abaixo:

A Transpetro informa que, por volta das 17h50 desta sexta-feira (05/04), foi detectado um vazamento de combustível marítimo no píer do Terminal Almirante Barroso (Tebar), em São Sebastião (SP). Imediatamente, equipes de contingência foram acionadas e, durante toda a noite e a madrugada, atuaram na contenção do vazamento e na remoção do produto. No local da ocorrência, no entorno do píer, o processo de limpeza esta sendo concluído.

Na manhã deste sábado, os profissionais mobilizados pela Transpetro continuam trabalhando para retirar o óleo que se desprendeu da área atingida e alcançou as praias Deserta, Pontal da Cruz, Ponta do Lavapés e Portal da Olaria, em São Sebastião.

A Transpetro disponibilizou todos os recursos necessários para remover o produto. Neste momento, são 27 embarcações e cerca de 300 pessoas mobilizadas na região.

As causas do incidente estão sendo apuradas. O órgão ambiental foi comunicado e os técnicos acompanham os trabalhos de limpeza.

São Sebastião pede que banhistas evitem nove praias da cidade (Foto: Reginaldo Pupo/ Estadão Conteúdo)Equipes tentam limpar o local que faz divisa entre as praias Porto Grande e Deserta. (Foto: Reginaldo Pupo/ Estadão Conteúdo)

Primeiro caso
Em 6 de setembro do ano passado, uma carreta da Petrobras tombou na SP-55 (Rodovia Doutor Manuel Hipólito Rego)  e provocou o vazamento de 15 mil litros de óleo diesel. O material chegou ao córrego Canto do Moreira, situado no lado sul da praia de Maresias, também em São Sebastião. O problema interditou um trecho de 800 metros quadrados da praia para os trabalhos de remoção do óleo.

Cinco dias depois do acidente, a Petrobras e a Cooperativa de Transportes Rodoviários do ABC foram multadas pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) em R$ 92.218,44, cada uma. O valor da multa correspondia a 5.001 Unidades Fiscais do Estado de São Paulo.

Fonte: G1

Equipes da Petrobras trabalham na remoção de vazamento, em São Sebastião, no litoral norte de São Paulo. (Foto: Jorge Mesquita/Estadão Conteúdo)

Equipes da Petrobras trabalham na remoção de vazamento, em São Sebastião, no litoral norte de São Paulo. (Foto: Jorge Mesquita/Estadão Conteúdo)

PrintFriendly and PDF