Pesquisadores matam acidentalmente animal mais velho do mundo

O molusco Ming tinha 507 anos de idade em 2006, quando pesquisadores que suspeitavam do impressionante recorde ficaram tentados a confirmar o quão velho ele era e o mataram no processo.

Os cientistas da Universidade Bangor, no País de Gales, abriram Ming para verificar a teoria de que ele teria cerca de 405 anos de idade.

Na época, eles ficaram satisfeitos com a pesquisa – mas recentemente, melhores métodos de datação deixaram claro que os resultados anteriores foram publicados precipitadamente e, na verdade, Ming era 103 anos mais velho do que se pensava.

Assim como ocorre com as árvores, a idade dos moluscos pode ser calculada por anéis de crescimento. Em um molusco tão antigo quanto Ming, os anéis estavam comprimidos muito próximos um do outro, o que dificultou a precisão.

Os pesquisadores tiveram a ideia de olhar no interior de Ming, geralmente considerado o melhor lugar para procurar. Porém, na reanálise, descobriu-se que os anéis do lado de fora da casca eram maiores e mais fáceis de contar e acabaram por descobrir a nova idade. O que aumenta a ironia, uma vez que não havia necessidade de abrir o molusco para contar quantos anos ele tinha.

O animal foi batizado em homenagem à dinastia Ming que governou a China de 1368 a 1644. Por sorte, a data contempla a idade nova e a antiga do molusco.

Entretanto, a morte de Ming não foi em vão: isótopos de oxigênio nos anéis de crescimento de Ming podem dar aos cientistas uma ideia da temperatura do oceano ao longo do tempo, aumentando assim o banco de dados já existente sobre mudanças climáticas.

(Grist, Scienc, Comunicação para a Sustentetabilidade)
Fonte: http://www.mercadoetico.com.br/arquivo/pesquisadores-matam-acidentalmente-animal-mais-velho-do-mundo/

PrintFriendly and PDF