Mais uma empresa chinesa desiste da soja brasileira

Mais uma empresa chinesa cancelou a compra de soja do Brasil por atrasos na entrega do produto, afirmou nesta sexta-feira em Pequim o senador Blairo Maggi (PPS-MT), que se reuniu com vários importadores para avaliar o impacto do apagão logístico nacional sobre o humor de seu principal cliente agrícola.

Maggi não revelou o nome da companhia chinesa nem o tamanho da carga, mas disse que são “vários navios” destinados a uma esmagadora de soja que importa o produto por meio de uma trading do Japão.

Esse é o segundo caso em um mês de cancelamento causado por atrasos dos embarques no Brasil, onde navios estão esperando em média 65 dias para ser carregados nos portos – cada dia parado custa US$ 25 mil.

“É o fim do mundo”, disse Maggi, que está entre os maiores produtores de soja do Brasil. Segundo ele, “é muito ruim” a percepção dos importadores chineses em relação aos problemas logísticos brasileiros.

Concorrência. O setor teme que os atrasos nos embarques levem os clientes chineses a optar pelo produto americano quando houver excesso de oferta no mercado – neste ano, os estoques mundiais estão em níveis historicamente baixos em razão da quebra da safra de soja nos Estados Unidos. “Estamos perdendo a credibilidade”, disse Glauber Silveira, presidente da Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja), que acompanhou Maggi na visita à China.

Segundo o senador, eles ouviram a mesma mensagem de todos os importadores com quem se reuniram: “Eles nos disseram que darão preferência à soja americana em detrimento da brasileira, por causa da previsibilidade no embarque”.

Neste ano, essa opção é limitada pela restrição da oferta nos EUA. Mas, se não houver problema na próxima safra, Silveira prevê mais 15 milhões a 20 milhões de toneladas no chamado “estoque de passagem”. Em sua opinião, a maior parte dessa “sobra” poderá ficar encalhada no Brasil.

Há um mês, a maior importadora chinesa de soja, Sunrise, cancelou a compra de quase 2 milhões de toneladas do produto por causa de atrasos nos embarques em portos brasileiros.

Na época, o gerente de grãos e óleos da empresa, Shao Guorui, disse ao Estado que a Sunrise analisava a possibilidade de compensar o cancelamento dos contratos com a aquisição de soja na Argentina a partir de abril.

Segundo ele, a companhia deveria ter recebido seis navios em fevereiro e seis em março, mas a chegada dos carregamentos foi adiada para abril, em razão do apagão logístico que atinge os portos nacionais. A China é o principal consumidor da soja brasileira e adquiriu quase 70% dos US$ 17,5 bilhões exportados no ano passado.

Maggi ressaltou que a demora nos embarques gera prejuízos às processadoras de soja chinesas, que enfrentam dificuldades para cumprir os contratos com os clientes. O senador deu o exemplo da esmagadora Cofco, que paralisou a operação de uma fábrica por não ter recebido o produto comprado do Brasil no prazo previsto. “O navio está há 65 dias parado no Porto de Santos. Depois que for carregado, vai demorar mais 30 dias para chegar à China”, observou.

Fonte: Estadão

Mais uma empresa chinesa desiste da soja brasileira

Mais uma empresa chinesa desiste da soja brasileira

PrintFriendly and PDF
Tags: ,