Grande Muralha Verde tenta conter avanço do deserto do Saara

Nas últimas décadas, o deserto do Saara aumentou de tamanho. Os motivos? Declínio na quantidade de chuvas aliado à degradação do solo ocasionada por pecuária e desmatamento. A solução? O projeto Grande Muralha Verde, desenvolvido pela UA – União Africana e apoiado pela ONU – Organização das Nações Unidas, no qual estão reunidos 11 países. Todos partilham dos mesmos objetivos: plantar árvores pelo continente africano para conter a expansão do mais extenso deserto quente do mundo, fornecer apoio para o uso sustentável das florestas em regiões áridas e melhorar a qualidade de vida das comunidades locais

Após ser completada, a faixa de vegetação terá 15 quilômetros de largura por 7000 quilômetros de comprimento e irá cruzar a África de lesta a oeste. As mudas começaram a ser plantadas no Senagal em 2008. Mauritânia, Mali, Burkina Faso, Niger, Nigéria, Chade, Sudão, Etiópia, Eritreia e Djibouti são os outros países integrantes do projeto.

corredor de árvores vai funcionar como uma barreira para os ventos secos vindos do Saara. Dessa forma, os níveis de umidade aumentam e permitem até mesmo o florescimento da agricultura. Segundo o WFP – Programa Mundial de Alimentos, da ONU, comunidades no Senagal localizadas em desertos já conseguem cultivar frutos e vegetais graças ao início do projeto.

Para Ulrich Apel, especialista em florestas do GEF – Fundo Global para o Meio Ambiente, a Grande Muralha Verde teve um começo promissor e já mostra resultados. Ele acredita que o programa pode ser replicado na Ásia Central para enfrentar adegradação do solo, os problemas de gestão da água e os impactos das mudanças climáticas.

Fábio Paschoal - National Geographic Brasil

O declínio na quantidade de chuvas, aliado à degradação do solo ocasionada por pecuária e desmatamento, fizeram o deserto do Saara expandir nas últimas décadas

O declínio na quantidade de chuvas, aliado à degradação do solo ocasionada por pecuária e desmatamento, fizeram o deserto do Saara expandir nas últimas décadas

PrintFriendly and PDF