Cooperação internacional pode minimizar riscos de escassez de água, diz especialista da ONU

O alerta constante sobre a disponibilidade de água no mundo já seria suficiente para justificar uma mobilização global pela preservação do recurso. Segundo especialistas, em menos de 40 anos a população mundial será de quase 10 bilhões de pessoas, ou seja, cerca de 3 bilhões a mais do que a atual. Organizações internacionais, como a ONU-Água, que reúne representantes de 28 de diferentes escritórios da Organização das Nações Unidas, estimam que esse crescimento demográfico pode representar um aumento de mais de 50% na demanda de água.

Em entrevista exclusiva à Agência Brasil, Isabel Martínez, oficial programática do Escritório Regional América Latina e do Caribe do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), lembrou que, mais do que tratar as pressões sobre os recursos hídricos, os órgãos da ONU decidiram dedicar o ano a uma discussão mais prática sobre o que precisa ser feito para minimizar os riscos de escassez de água e os problemas já enfrentados em muitos países.

As Nações Unidas definiram 2013 como o Ano Internacional de Cooperação pela Água. A proposta é tentar estimular um diálogo entre as nações do mundo em torno de soluções e medidas que podem ser compartilhadas. Para se ter uma ideia, mais de 140 países dividem grandes bacias hidrográficas com outras nações.

No escritório no Panamá, a oficial do Pnuma, especialista em Gestão de Recursos Naturais, defendeu que essa cooperação internacional, além de criar mecanismos de uso sustentável e eficiente da água, pode produzir benefícios econômicos para os países. A seguir, os principais trechos da entrevista concedida por Izabel Martínez à Agência Brasil:

Agência Brasil – Há anos, as Nações Unidas chamam a atenção dos governos para o problema da água no mundo. O recado foi intensificado durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, em junho, no Rio de Janeiro. Há perspectiva de mudanças na gestão desse recurso, especialmente nos países da América Latina e do Caribe?

Izabel Martínez – Na América Latina e no Caribe como um todo, o acesso à água tem melhorado, especialmente nas áreas urbanas. O panorama é bem heterogêneo, mas há avanços significativos nos acesso à água potável e ao saneamento. Foi registrado um aumento pequeno na população urbana – de 95% em 1990 para 97% em 2008 – mas um crescimento significativo para populações rurais – de 63% para 80% no mesmo período. Contudo, 22% da população da região não contam com serviços domiciliares de água potável, dependendo de fontes públicas e outras formas de captação.

O saneamento aumentou de forma sistemática desde a década de 1990. No entanto, desde 2008 – ano mais recente com dados disponíveis – 45% da população rural e 14% da população urbana da América Latina e do Caribe não contam com saneamento em suas residências. A fonte desses dados é o relatório O Desenvolvimento Sustentável nos 20 anos da Cúpula da Terra: Avanços, Lacunas e Diretrizes Estratégicas para América Latina e do Caribe, coordenado pela [Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe] Cepal.

ABr – Quais as prioridades que os governos da região precisam observar?

Izabel – É necessário um gerenciamento integrado de recursos hídricos levando em conta os diferentes ecossistemas da região. A Estratégia Operacional para Água Doce 2012-2016 lista quatro prioridades estratégicas: enfrentar o desafio global pela qualidade da água; obter benefícios dos ecossistemas aquáticos; desenvolver a capacidade de recuperação face às mudanças climáticas e incorporar eficiência ao uso dos recursos hídricos. O documento final da Rio+20, O Futuro que Queremos, inclui diversas sugestões sobre o tema. Dentre elas estão reafirmar compromissos relativos ao direito humano à água, apoiar iniciativas de conservação e uso sustentável de ecossistemas aquáticos nas fronteiras nacionais de cada país e adotar medidas contra enchentes, secas e a escassez de água, mantendo o equilíbrio entre oferta e demanda.

ABr – Os órgãos das Nações Unidas decidiram voltar o debate sobre as águas, em 2013, para o esforço pela cooperação internacional. É possível conciliar interesses e esforços efetivos pela preservação do recurso?

Izabel -A cooperação pela água cria benefícios econômicos tangíveis, já que todas as atividades econômicas dependem de água e a cooperação pode levar a um uso mais eficiente e sustentável. E a cooperação pela água é crucial para conservar recursos hídricos, garantir sua sustentabilidade e proteger o meio ambiente. Permite o intercâmbio de conhecimento científico, estratégias e melhores práticas.

Há uma série de mensagens-chave que estão sendo trabalhadas pelas Nações Unidas ao longo deste Ano Internacional de Cooperação pela Água. A cooperação pela água colabora para a paz, já que o esforço conjunto de países pelo gerenciamento de recursos hídricos e o acesso à água potável ajuda a superar tensões culturais, políticas e sociais, e estimula a confiança mútua. A cooperação pela água é essencial para o desenvolvimento socioeconômico, a erradicação da pobreza, a igualidade social e de gênero e a sustentabilidade ambiental. O acesso à água e ao saneamento é dos fundamentos para várias atividades humanas e para as Metas de Desenvolvimento do Milênio.

ABr – Como a senhora avalia as medidas globais de saneamento básico?

Izabel – Segundo o Panorama Ambiental Global 5 (GEO 5), publicação do Pnuma lançada no ano passado, melhorar as condições de fornecimento de água e de saneamento é provavelmente a maneira mais barata e eficaz de reduzir o índice global de doenças e mortes por contaminação. Mesmo que a Meta de Desenvolvimento do Milênio relacionada ao acesso à água potável – Reduzir à metade, até 2015, a proporção da população sem acesso sustentável à água potável segura – tenha sido alcançada em 2010, mais de 600 milhões de pessoas não possuirão acesso satisfatório à água potável em 2015. Já a meta relativa ao saneamento é improvável de ser alcançada, com 2,5 bilhões de pessoas sem saneamento básico no mundo. Atingir esses objetivos reduziria em cerca de 10% os índices de doenças por contaminação de água. É necessário aumentar os investimentos em infraestrutura, capacitação e em regulamentação.

ABr – Há uma consciência política, atualmente, sobre os aspectos econômicos que essas medidas podem traduzir?

Izabel – A oferta inadequada de serviços de água potável e saneamento traz custos sociais consideráveis e ineficiência econômica. Quando não há acesso à água, uma grande parcela da renda tem que ser gasta na compra de água engarrafada. Também se perde muito tempo, especialmente mulheres e crianças, no transporte desta água. Isso impede populações mais pobres de se envolverem em outras atividades. A falta de saneamento tem um custo muito alto. Camboja, Indonésia, Filipinas e Vietnã, por exemplo, perdem cerca de 9 bilhões de dólares todos os anos por causa do saneamento insuficiente – cerca de 2% do PIB. O acesso à água potável e ao saneamento adequados são fundamentos da Economia Verde.

Veja aqui a galeria de fotos

(Agência Brasil)

Cooperação internacional pode minimizar riscos de escassez de água, diz especialista da ONU

Cooperação internacional pode minimizar riscos de escassez de água, diz especialista da ONU

Print Friendly, PDF & Email
Tags: , ,