Casal tem projeto para criar rodovias solares

Muito tem se pensado sobre o quanto de energia gastamos para ir de carro do ponto A até o B. Mas, e se a própria estrada pudesse gerar a energia? O casal Julie e Scott Brusaw, de Sandpoint, Idaho, desenvolve uma ideia que, eles esperam, tornará o transporte motorizado do futuro mais limpo e seguro.

A ideia é tão simples quanto engenhosa. Quando uma estrada é construída, no lugar do asfalto seriam usados painéis solares. Eles vão gerar energia, que por sua vez alimentará a rede elétrica. Desse modo o combustível é conservado duas vezes: os carros elétricos seriam alimentados com a energia produzida pelos painéis e os painéis substituiriam o uso do asfalto, cuja produção exige petróleo.

Além disso, as Solar Roadways (rodovias solares) como o casal chama a invenção, são aquecidas e equipadas com telas LED integradas, que atuam não só como marcadores rodoviários, mas podem exibir os alertas diretamente na estrada.

O casal sabe que a ideia não pode ser concretizada num dia apenas. Decidiu, assim, começar a implantá-la numa escala modesta, em caminhos de bicicleta e pedestres ou em estacionamento de supermercados. Cada metro quadrado de asfalto substituído pelo painel solar é um pequeno passo na direção da independência dos combustíveis fósseis. O passo gigante será dado nas estradas e grandes rodovias em escala global.

Uma ideia louca e brilhante. “No início, metade das pessoas com quem conversamos achava que éramos gênios, e a outra metade nos considerava malucos”, diz Scott. O engenheiro elétrico passou anos tentando tornar realidade a ideia da sua mulher. Julie é psicoterapeuta. Estradas não estão dentro de sua área de especialização. Mas como o debate sobre mudança climática vem se intensificando nos EUA, o casal teve essa ideia das estradas solares. Em 2009, eles receberam a primeira subvenção do governo para construir um protótipo.

O trabalho impressiona. Recentemente iniciaram um projeto piloto para o qual o Estado ofereceu subvenção de US$ 750 mil. Em sua cidade natal, Sandpoint, perto da fronteira com o Canadá, Scott e Julie construíram o primeiro estacionamento com painéis solares.

O casal deparou com inúmeras dificuldades na busca para a substituição do asfalto. “Ele tinha de ser texturizado a ponto de oferecer pelo menos a tração que as atuais estradas pavimentadas oferecem – mesmo na chuva”, explica Scott. “Na fase de desenvolvimento, foi um dos requisitos mais importantes da camada superior dos painéis”.

Eles conseguiram desenvolver um vidro duro como aço, mas não liso. “Hesitamos mesmo em chamar isso de vidro, pois está longe de ser uma vidraça de janela tradicional, mas é vidro, de modo que temos de chamar assim”, diz Scott.

Água. A composição de um painel é sempre a mesma e consiste de três partes: por cima uma camada translúcida e resistente composta por painéis solares, luzes de LED e aquecedores. Abaixo vem uma camada de controle, onde um microprocessador aciona as luzes e se comunica com os painéis da estrada. Finalmente na base há uma placa que garante que a corrente elétrica coletada seja distribuída para residências e postos que carregam carros elétricos. Além disso, há espaço para outros cabos, como de TV ou de linhas telefônicas.

O casal pensa mais à frente. Nas bordas dos módulos dos canais podem coletar e filtrar a água. Desta maneira a água não é desperdiçada. Uma rede viária inteligente.

Mas, e no caso de um terremoto? “Apesar de não termos tido a chance de testar, sabemos que um terremoto pode ser catastrófico para qualquer tipo de estrada. Basicamente, qualquer força que consegue destruir uma estrada de asfalto ou concreto terá o mesmo efeito sobre uma rodovia solar”, diz Scott. Mas, se um painel solar da estrada se quebrar, pode ser substituído por causa de todos os elementos conectados para criar uma rede viária que pode até usar as luzes LED para alertar os motoristas dos perigos existentes na próxima curva.

Se a tecnologia funcionar nesse plano piloto, dificilmente surgirá alguma coisa contra o projeto, exceto talvez o fato de os painéis não poderem gerar tanta eletricidade quanto aqueles posicionados de acordo com os movimentos do sol. Mas as estradas solares têm enorme potencial. Só na Alemanha há 230 mil quilômetros de estradas, o que significa 18 mil metros quadrados de área, representando 5% do território do país. Há apenas um problema: os painéis de estrada solares custam três vezes mais que a pavimentação convencional. Mas, com o tempo, diz o casal, a tecnologia pode ser lucrativa. O que parece bom demais para ser verdade./ TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

 Fonte: Estadão

Asfalto é substituído por painéis solares que geram energia limpa inclusive para abastecer carros elétricos

Asfalto é substituído por painéis solares que geram energia limpa inclusive para abastecer carros elétricos

PrintFriendly and PDF