Café sustentável é apresentado no Maciço de Baturité

SEBRAE apresenta o Café Verde do Ceará, produto que tem na agroecologia seu atestado de qualidade

O café brasileiro hoje já é reconhecido pela sua qualidade. Regiões como o interior paulista e o serrado mineiro já atestaram o seu bom café. Agora o Ceará quer mostrar que o café plantado na Serra de Baturité pode competir em qualidade com a vantagem de optar pelo modo de produção sustentável. Com o objetivo de divulgar este café, que une qualidade e sustentabilidade, o SEBRAE Ceará promove o evento Café Verde do Ceará, nos dias 22 e 23 de novembro na cidade serrana de Mulungu. A programação mostra os benefícios do café sustentável desde seu cultivo até as mais variadas formas de consumo.

O Café Verde é uma tipologia rara do produto, uma linhagem que precisa ser preservada, por isso o SEBRAE, a Prefeitura de Mulungu e a Associação dos Produtores Ecologistas do Maciço de Baturité (APEMB) apostam neste projeto. Hoje já são cerca de 300 a 400 produtos deste café especial, segundo levantamento da Associação. O evento além de promover um produto genuinamente cearense tem como pretensão aumentar a produção e facilitar o processo de comercialização desses micros, pequenos e médios produtores.

A partir desta sexta, 22, os produtores de café sombreado agroecológico estarão de portas abertas pra servir um café direto da fonte. O evento é aberto ao público e focado principalmente naqueles interessados na comercialização do café cearense. Na oportunidade, mestres no assunto vão abordar boas práticas de cultivo, colheita à secagem do café, além da realização de workshop, oficinas e mostras, que tem como foco o café sustentável, abordando questões como o Café Orgânico.

O Café Verde do Ceará vai contar ainda com uma exposição de 15 expositores com vendas de utensílios e produtos a base de café, bar temático, mostras de café e uma sessão que explica os rituais do café pelo mundo.

Como o café é considerado ecológico?
A produção de Café Ecológico Sombreado em sistema agroflorestal, respeita as leis ambientais vigentes. Quando comparado ao café a pleno sol (baseado na monocultura), o café de sombra é considerado ecológico. Ele melhora a biodiversidade, tanto quanto do número de espécies vegetais e animais nas suas áreas. Além disso, o sistema de sombreamento não usa fertilizante, ou pesticida. O húmus é decorrente da decomposição de resíduos vegetais e controla também possíveis doenças ou pragas. Quando certificado esse café também pode ser considerado orgânico.

Campanha Café Verde
A campanha Nós Servimos Café Verde será lançada no evento com o slogan “Bom pra você, melhor pra Natureza” com o objetivo de fomentar o uso do Café Verde nos ambientes de trabalho, hotéis e restaurantes do Estado.

Roteiro Café Verde
Os interessados podem se inscrever ainda para participar da visita guiada às propriedades centenários da cultura do café e conferir de perto a produção do café cearense. O roteiro passa pelo Sítio Bagaço Mulungu, onde foram plantadas as primeiras mudas de café no Maciço de Baturité; mini-industria de beneficiamento torrefação de café APEMB/COMCAFÉ/Fundação CEPEMA; Sítio São Roque, Sítio Santo Izidro e o Sítio Flor Mulungu.

 

SERVIÇO
1º Café Verde do Ceará
Local: Mulungu – Serra de Baturité
Data: 22 e 23 de novembro
Horário: 17h às 22

(Equipe No Pátio)
Fonte: http://www.nopatio.com.br/ecofriendly/cafe-sustentavel-e-apresentado-no-macico-de-baturite/

PrintFriendly and PDF