Projeto que substitui diesel fóssil por diesel de cana em ônibus terá resultados divulgados na Rio+20

A Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) divulgará na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, em junho, os resultados preliminares do projeto Diesel de Cana – Rumo a 2016, que usa tecnologia sustentável desenvolvida pela empresa Amyris Brasil.

Lançado em julho do ano passado, durante o 1º Seminário de Tecnologias Sustentáveis no Transporte, no Rio, o projeto foi iniciado na prática em janeiro deste ano, com testes relativos à adição, ao diesel fóssil, de 30% de diesel obtido a partir da cana-de-açúcar. Os testes são feitos em 20 ônibus, que já estão rodando nas ruas da capital fluminense. A ideia é elevar esse número para 30 ônibus este ano, disse hoje (18) à Agência Brasil o gerente da Fetranspor, Guilherme Wilson.

As avaliações iniciais do projeto serão feitas até a Rio+20 por pesquisadores da Coordenação de Programas de Pós-Graduação de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe-UFRJ). “Tem análise de combustível, de quilometragem, de consumo, de manutenção, de percepção de performance, de emissões. Tudo isso está sendo olhado”, disse Wilson. Ele enfatizou que os resultados parciais só vão estar prontos na Rio+20. “Faltam três meses ainda”, lembrou.

O gerente da Fetranspor não tem dúvidas, entretanto, de que o projeto trará melhorias para o meio ambiente. A perspectiva é diminuir a emissão de gases de efeito estufa até 90%, porque o combustível é feito a partir de biomassa renovável, no caso a cana-de-açúcar. Os testes determinarão também se haverá redução de custos para as empresas de ônibus. “Os impactos estão sendo medidos”, declarou o gerente da Fetranspor.

A utilização do diesel de cana não implicará em alteração mecânica nos motores dos ônibus, o que elimina a necessidade de investimentos adicionais para fazer a substituição do diesel fóssil.

Autor: Alana Gandra   –   Fonte: Agência Brasil

Disponível em: Instituto Carbono Brasil

Print Friendly, PDF & Email