Plantas e animais são usados como remédios por comunidades no AM

Argila, fungos, seiva de árvores e diferentes partes de animais são usados por comunidades ribeirinhas do Amazonas com finalidade medicinal. Toda essa matéria orgânica, transformada em estimulantes, calmantes, antibióticos e afrodisíacos, virou objeto de estudo da bióloga Eliana Rodrigues, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) em Diadema.

O papel da pesquisadora não é comprovar a eficiência dessas substâncias, mas observar e registrar as espécies, identificá-las pelo nome científico e relacionar a prática com a medicina tradicional.

“Se isso vai servir para nós, é outra história. Se não funcionasse para eles, não usariam até hoje”, diz Eliana, que começou o trabalho em 1995, no rio Jaú, e voltou à região este ano para analisar os hábitos de sete comunidades do rio Unini, no norte do Amazonas.

Para ter uma ideia do isolamento dessas pessoas – 150, divididas em 20 famílias –, as cidades mais próximas ficam a 250 km de barco pelo rio Negro. Os indivíduos são chamados de “caboclos”, uma mistura de negros, índios e nordestinos que migraram para lá.

Se isso vai servir para nós, é outra história. Se não funcionasse para eles, não usariam até hoje”
Eliana Rodrigues,
bióloga

Até agora, já foram catalogadas 122 espécies de plantas e 57 de animais, com 67 diferentes usos terapêuticos. Entre as partes da flora usadas, estão: caules, folhas, cascas, sementes, flores, frutos e “exudados”, uma espécie de “suor” que pode ser tanto seiva quanto resina, látex ou goma.

Dos animais, são utilizados ossos, penas, carne, cérebro e pênis. Além disso, os caboclos aproveitam substâncias e secreções produzidas pela fauna, como urina e bile.

Atualmente, Eliana tem se centrado no estudo dos exudados. Das cascas, sementes ou frutos de árvores como andiroba copaíba e babaçu, por exemplo, os moradores fazem óleos essenciais, com propriedades que vão do perfume ao tratamento de doenças.

“Cada uma dessas substâncias ainda precisa passar por uma análise química e botânica para saber sua composição e ser classificada”, explica a pesquisadora, que coordena o Centro de Estudos Etnobotânicos e Etnofarmacológicos da Unifesp.

Da dor de dente ao anticoncepcional
Os ribeirinhos também aproveitam a natureza para fabricar remédios e fazer “defumações” contra dor de dente e de cabeça, inflamações e síndromes culturais como mau-olhado ou quebranto e “doenças do ar”. Já as enfermidades “convencionais”, como sarampo, hepatite e tétano, diminuíram na região após um aumento na vacinação.

“A ‘baba’ do sapo canuaru, por exemplo, é empregado contra dor de cabeça. Mas ainda não sabemos se essa substância é liberada pelo animal, pela árvore onde ele vive, a 40 metros de altura, ou se é um produto da relação entre eles”, explica. Segundo Eliana, o anfíbio provavelmente faz um berço na copa para abrigar os girinos.

Outra aplicação interessante das plantas é na forma de anticoncepcional para as mulheres. “Existe uma com efeito temporário, outra que neutraliza a ação dessa primeira e uma terceira permanente. As caboclas tomam um chá todos os dias durante a menstruação”, conta. Há também moradoras que, antes de engravidar, amarram uma casca de árvore no baixo ventre para determinar o sexo que desejam para o bebê.

Macacos e cães
Além das comunidades amazonenses, Eliana já estudou rituais de cura de tribos Krahô, no Tocantins, e grupos quilombolas. Agora, está migrando suas pesquisas para macacos, como bugios e muriquis, e cães domésticos. Essas áreas são chamadas de etnoveterinária e zoofarmacognosia.

“A legislação para trabalhar com humanos é complicada. Vamos analisar como os macacos e cachorros usam plantas medicinais voluntariamente. Os cães, por exemplo, comem grama quando não se sentem bem”, diz.

Fonte: Globo.com / Bem Estar

Print Friendly, PDF & Email