Pesquisa cria índice global de saúde dos mares

Um grupo de cientistas acaba de produzir o primeiro índice global de saúde dos oceanos, uma ferramenta que deve ajudar a avaliar o estado dos mares da Terra.

O índice leva em conta os principais fatores que influenciam a qualidade dos ecossistemas marinhos e das atividades econômicas que dependem deles: a viabilidade da pesca, a presença de biodiversidade, a capacidade dos mares de estocar gases do efeito estufa e o turismo, entre outros quesitos.

Cada um dos dez fatores recebe uma “nota” de 0 a 100, que depois é ponderada para chegar a uma nota da saúde geral do mar em cada região do planeta.

A pesquisa, publicada na revista científica britânica “Nature”, deu uma pontuação de 60 à média da saúde dos mares do planeta. Entre as regiões, a nota mais baixa, 36, foi para Serra Leoa, no oeste da África. A mais alta foi 86, para a ilha Jarvis (desabitada), perto do Havaí. O Brasil, com uma nota geral de 62, se saiu ligeiramente melhor que a média dos países.

“Não dá para fazer o manejo sustentável da saúde do oceano sem ter uma ferramenta para medi-lo”, explica Ben Halpern, diretor do Centro de Avaliação e PlanejamentoMarinho da Universidade da Califórnia em Santa Barbara e um dos líderes do projeto. Para ele, o índice dá às populações que exploram os oceanos uma ideia de como suas práticas afetam os recursos marinhos dos quais dependem para viver.

Segundo Halpern, a “nota” geral de 60 indica que, embora muita coisa precise ser melhorada, “há coisas boas acontecendo” em termos de conservação marinha.

A maioria das regiões marinhas estudadas pelo projeto ficam em águas a uma distância máxima de 350 km da costa de cada país, as chamadas zonas econômicas exclusivas nacionais, sobre as quais cada país tem direitos de exclusividade de exploração.

No geral, países em desenvolvimento tiraram notas mais baixas, enquanto as nações mais ricas tinham pontuação mais elevada. Há, porém, exceções: países pobres como Seychelles e Suriname tinham pontuação alta, contra notas baixas da Polônia e de Cingapura.

Fonte: Folha.com

FanPage AmbientalSustentávelCurta nossa página do facebook
Pesquisa cria índice global de saúde dos mares

Pesquisa cria índice global de saúde dos mares

Print Friendly, PDF & Email