Na França, grupo faz protesto contra Código Florestal brasileiro

Políticos e ambientalistas brasileiros fizeram na quarta-feira (14) uma manifestação durante 6º Fórum Mundial da Água, em Marselha, na França, contra a aprovação do texto do novo Código Florestal.

O grupo, liderado pela fundação SOS Mata Atlântica, instalou um copo gigante de plástico, em forma de troféu, no meio do estande oficial do Brasil no evento.

A ideia, de acordo com Mario Mantovani, diretor de mobilização da SOS, é simbolizar a entrega do troféu “copo vazio” a quem apoia o novo código em debate na Câmara dos Deputados.

“A situação está mal resolvida. Não é possível continuar essa chantagem na Câmara contra o governo, contra a sociedade e contra a natureza”, disse Mantovani.

“Eu espero que a Câmara dos Deputados aprove na íntegra o texto que saiu do Senado”, falou o senador Rodrigo Rollemberg, presidente da Comissão do Meio Ambiente do Senado. “É um texto equilibrado que busca aliar a condição do Brasil como um grande produtor de alimentos mantendo sua condição de potência ambiental.”

O texto aprovado pelo Senado em dezembro do ano passado sofreu alterações na Câmara. Por exemplo, as áreas florestais obrigatórias por lei nas propriedades rurais foram reduzidas.

RESPOSTA

A ideia da manifestação surgiu após o discurso da senadora ruralista Kátia Abreu (PSD-TO), na terça-feira, no Fórum da Água.

Abreu sugeriu uma espécie de universalização do conceito de mata ciliar que a legislação brasileira chama de APP (Área de Preservação Permanente).

A senadora também falou sobre o projeto Biomas, da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), que ela preside, e da Embrapa Florestas, que envolve mais de 200 cientistas.

De acordo com Abreu, cabe aos cientistas a avaliação da mata ciliar que deve ser preservada nas nascentes e nas beiras de rios, “que pode variar de 5 metros a 200 metros.”

Na prática, porém, a senadora é um dos principais nomes que lutam pela aprovação do novo Código Florestal brasileiro.

O texto em debate, que substitui a legislação de 1965, delimita as APPs de beira de rios em até 30 metros e inclui essas áreas na conta da Reserva Legal (floresta “obrigatória” das propriedades rurais).

“Se o que a senadora estivesse falando aqui fosse verdade seria ótimo. Mas ela não escuta os cientistas”, disse Maria Luiza Ribeiro, coordenadora da Rede das Águas.

A senadora disse ainda que o congresso tem “livre arbítrio” para decidir sobre o tamanho da APPs e que a nova legislação não será “para sempre”. “O único texto eterno e imutável é a Bíblia”, disse.

“O Brasil sofreria embargos econômicos se mostrasse ao mundo que está desmatando e alternando negativamente a sua legislação florestal”, disse Ribeiro. “A senadora deve estar trabalhando para vender uma imagem positiva no exterior.”

Fonte: Folha

Print Friendly, PDF & Email