Morre cientista que descobriu o buraco na camada de ozônio

Morreu no último sábado (10) o cientista responsável pode descobrir o buraco na camada de ozônio. O americano Frank Sherwood Rowland, que era professor da Universidade da Califórnia, em Irvine, tinha 84 anos e sofria de mal de Parkinson.

Rowland ganhou o prêmio Nobel de Química em 1995 em parceria com Mario Molina e Paul Crutzen por seus estudos sobre a camada de ozônio. Eles explicaram como o ozônio na atmosfera é decomposto pelo clorofluorcarbono (CFC), uma substância que era usada em aerossóis na década de 1970.

Antes da descoberta, o produto era considerado “limpo”, sem riscos ao meio ambiente. Porém, anos depois, os buracos na camada de ozônio sobre as regiões polares deixaram clara a importância do trabalho de Rowland e seus colegas. O CFC foi banido por uma resolução das Nações Unidas e ele caiu em desuso durante a década de 1990.

A camada de ozônio filtra a radiação ultravioleta do Sol, que é nociva à pele. O buraco na camada aumenta o risco de câncer de pele nas regiões que ficam mais expostas a essa radiação.

Fonte: G1

Frank Sherwood Rowland, em foto de 1989 (Foto: AP Photo/University of California Irvine, Arquivo)

Print Friendly, PDF & Email