Horário de verão evita gasto de R$ 160 milhões em acionamento de termelétricas

O horário de verão resultou em uma redução de 4,6% na demanda de energia no horário de pico nas regiões onde a medida foi implementada (Sul, Sudeste, Centro-Oeste e na Bahia), entre outubro de 2011 e fevereiro de 2012. Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), o país economizou R$ 160 milhões durante o horário de verão deste ano, porque a diminuição do consumo evitou o acionamento de usinas termelétricas para garantir a segurança do Sistema Interligado Nacional.

A redução total de energia alcançou 0,5% em todos os subsistemas envolvidos. Isso equivale a 8% do consumo mensal da cidade do Rio de Janeiro. Segundo o diretor-geral do ONS, Hermes Chipp, o aumento da segurança e a diminuição dos custos de operação são as principais consequências da redução de demanda no horário de ponta com a implantação do horário de verão.

A adoção do horário de verão em 2010/2011 resultou em uma redução de 4,4% na demanda de energia do horário de pico. No ano anterior, a diminuição do consumo foi 4,7%. O horário de verão começou no dia 16 de outubro do ano passado, e teve uma semana a mais, porque a data estabelecida para o fim do horário diferenciado, que é o terceiro domingo de fevereiro, em 2012 coincidiu com o feriado do carnaval.

Outro valor a ser considerado é o ambiental, pois as termelétricas operam graças à queima de carvão, óleo combustível ou gás natural, o que representa emissões de gases do efeito estufa na atmosfera.

Horário de verão começa à meia-noite de sábado

A partir de domingo, 21 de outubro, brasileiros que vivem nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste terão que adiantar seus relógios em uma hora. A data está marcada para o início do horário de verão, que vai até 17 de fevereiro de 2013. Segundo informações do Ministério de Minas e Energia, durante a vigência do horário diferenciado está prevista uma redução média de 5% no consumo no horário de pico, que vai das 18h às 21h.

A Bahia chegou a estudar a possibilidade de aderir ao horário de verão, mas, devido ao alto grau de rejeição da população à medida, o governador Jaques Wagner (PT) decidiu que o estado seguirá o horário convencional adotado em toda a região Nordeste. Uma pesquisa do governo mostrou que 75% da população baiana são contrários ao horário diferenciado.

Fonte: Ecodesenvolvimento

Horário de verão evita gasto de R$ 160 milhões em acionamento de termelétricas

Horário de verão evita gasto de R$ 160 milhões em acionamento de termelétricas

Print Friendly, PDF & Email