Gastos com desastres naturais aumentam mais de 15 vezes em seis anos no Brasil

“O desastre natural não tem nada de natural. É a conjunção do evento natural com a vulnerabilidade e a exposição das populações a situações críticas”. A afirmação é de Vicente Barros, um dos coordenadores do Relatório Especial sobre Gestão de Riscos de Extremos Climáticos e Desastres (SREX), do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC).

O documento divulgado na quinta-feira, 16 de agosto, aponta que, entre 2004 e 2010, os gastos governamentais destinados a reconstrução de estruturas afetadas por eventos naturais evoluíram de US$ 65 milhões para mais de US$1 bilhão (aumento de mais de 15 vezes).

Uma das conclusões do relatório é que, para evitar os desastres naturais, os cuidados vão além de lidar apenas com o clima.

Segundo Barros, que é da Universidade de Buenos Aires, desde 1950 as mudanças no clima podem ser percebidas claramente por meio dos dias quentes e chuvas extremas. Para ele, há expectativa de que essas situações ocorram com mais frequência devido ao aquecimento global.

Apesar dessas conclusões de Barros, não é possível afirmar com certeza que o aumento dos eventos naturais seja resultado apenas das mudanças climáticas. O climatologista Carlos Nobre, co-autor do trabalho, por exemplo, considerou, como fator determinante para os desastres, o problema de planejamento urbano.

Os pesquisadores alertaram a necessidade de ações do governos e a realização de estudos regionais que indiquem o que pode acontecer, sobretudo na Amazônia.

Fonte: O Jornal de São Paulo

FanPage AmbientalSustentávelCurta nossa página do facebook
O planejamento urbano pode ter a ver com o aumento dos desastres naturais. Foto: Agência de Notícias do Acre

O planejamento urbano pode ter a ver com o aumento dos desastres naturais. Foto: Agência de Notícias do Acre

Print Friendly, PDF & Email