Feitos para não durar

NFOGRÁFICO – A CORRIDA PARA O LIXO
Quanto tempo produtos durariam se não fossem trocados ao parecer obsoletos?

NEM VALE CONSERTAR

Eletroportáteis ficaram tão baratos que o conserto pode sair mais caro do que um novo.

 

PARA SABER MAIS  Made to Break: Technology and Obsolescence in America  Giles Slade, Harvard University Press, 2006.   Fontes: Adriana Marotti de Mello, professora da FEA-USP; Neil Maycroft, Consumption, planned obsolescence and waste; Rafael Lamardo, professor de Tecnologia da Informação da ESPM; Renato Giacomini, coordenador do curso de Engenharia Elétrica da FEI; Vera Rita de Mello Ferreira, representante no Brasil da International Association for Research in Economic Psychology; National Association of Home Builders; Bic; livestrong.org; Inmetro; Companhia das Letras.

PARA SABER MAIS
Made to Break: Technology and Obsolescence in America
Giles Slade, Harvard University Press, 2006.
Fontes: Adriana Marotti de Mello, professora da FEA-USP; Neil Maycroft, Consumption, planned obsolescence and waste; Rafael Lamardo, professor de Tecnologia da Informação da ESPM; Renato Giacomini, coordenador do curso de Engenharia Elétrica da FEI; Vera Rita de Mello Ferreira, representante no Brasil da International Association for Research in Economic Psychology; National Association of Home Builders; Bic; livestrong.org; Inmetro; Companhia das Letras.

 

Fonte: Planeta Sustentável

 

Print Friendly, PDF & Email