Escócia quer captura e armazenamento de carbono em todas as usinas a carvão até 2025

O governo da Escócia anunciou que pretende ajustar todas as usinas de energia movidas a carvão para a implantação de tecnologias para a captura e armazenamento de carbono (CCS, em inglês) até 2025, além de exigir que todas as novas unidades sejam integralmente equipadas nos próximos dez anos.

O CCS é considerado por muitos, inclusive pela Agência Internacional de Energia, como essencial para conter o crescimento das emissões antrópicas de gases do efeito estufa, porém ainda restam muitas barreiras técnicas e econômicas para a aplicação ampla.

Atualmente, a Escócia já exige em todas as novas usinas com capacidade instalada de 300 MW o uso da tecnologia de CCS.

O secretário de energia do Reino Unido, Ed Davey, anunciou nesta terça-feira o lançamento de um edital com 20 milhões de libras para o desenvolvimento de inovações para CCS. Por outras duas vezes, os britânicos anunciaram gratificações parecidas, porém com adiamento da aplicação em projetos.

“O sucesso na demonstração do CCS na Escócia ao longo da próxima década pode criar até 5 mil empregos e valer US$ 5,6 bilhões”, estima o relatório do governo ‘Electricity Generation Policy Statement’.

O documento demonstra ainda a pretensão de que ao menos 500 MW de energias renováveis sejam fornecidos por comunidades e organizações locais nos próximos 10 anos. Além disso, promete que as usinas nucleares serão desligadas com o passar do tempo, e mais nenhuma, além das duas existentes, será construída no país.

Autor: Fernanda B. Mûller   –   Fonte: Instituto CarbonoBrasil

Print Friendly, PDF & Email