Embrapa vai estudar impactos ambientais e econômicos da cadeia frutícola no Rio

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) fará um estudo para avaliar os impactos sociais, econômicos e ambientais de quatro cadeias frutícolas do estado do Rio de Janeiro: o coco-verde, o maracujá, o morango e o fruto da palmeira juçara. Segundo o pesquisador Daniel Trento, o estudo poderá contribuir para o planejamento de políticas públicas para o setor.

“A ideia principal do projeto é de uma prospecção, não só de demandas tecnológicas em relação à qualidade na produção e no processamento, mas também para a formulação de políticas para a área rural. Aí entram os gargalos na parte de distribuição, como está a comercialização e o custo-benefício para o produtor”, disse Trento.

Segundo o pesquisador, a agricultura responde por uma pequena parcela da economia fluminense. Por isso, o estado ainda importa grande parte das alimentos que consome. No entanto, estudos como este, da Embrapa, podem contribuir para melhorar a produtividade e aumentar a produção agrícola na região.

“O Rio é o segundo mercado consumidor [de alimentos]. Para alguns produtos, ele é o maior mercado. E, se não desenvolver alternativas para a produção agrícola no estado, os alimentos vão encarecer muito, correndo o risco, numa situação de crise econômica, de o estado passar a ter uma situação mais complexa do que outras regiões”, explica o pesquisador.

Entre os produtos que serão pesquisados neste estudo, o coco-verde e o maracujá têm participação importante na produção agrícola fluminense. O coco é vendido tanto ao natural quanto envasado em garrafinhas. O maracujá, produzido no norte do estado, é direcionado principalmente para a indústria de bebidas e transformado em suco processado.

O morango, segundo Trento, tem uma cadeia estabelecida na região serrana do estado. Já o fruto da palmeira juçara, coletado de árvores nas áreas remanescentes da Mata Atlântica, ainda tem produção muito pequena. Com propriedades semelhantes ao açaí, o fruto desta árvore, em risco de extinção, tem grande potencial, de acordo com a Embrapa. O estudo deve ser concluído em dois anos.

Fonte: Agência Brasil

FanPage AmbientalSustentávelCurta nossa página do facebook
Embrapa vai estudar impactos ambientais e econômicos da cadeia frutícola no Rio

Embrapa vai estudar impactos ambientais e econômicos da cadeia frutícola no Rio

Print Friendly, PDF & Email