Documento final da Rio+20 deixa decisões para o futuro

O documento final da Rio+20, “O Futuro que Queremos”, foi aprovado sem alterações na manhã desta terça-feira (19) por representantes de quase 190 países. Sem avançar muito na agenda socioambiental e jogando todas as decisões para o futuro, o texto foi comemorado por evitar retrocessos.

A principal resolução do documento é lançar um processo para a definição de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Trata-se de um conjunto de metas que visa substituir os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio a partir de 2015, incorporando critérios socioambientais. A proposta das metas será feita em 2013, após sua definição por um comitê técnico designado pela ONU.

Outra decisão para o futuro é criação de um grupo de 30 especialistas para propor, em 2014, uma solução inovadora para o financiamento ao desenvolvimento sustentável.

“O documento é uma base sólida para trabalharmos não no imediato, mas com uma visão de médio e longo prazo”, afirmou a jornalistas o chanceler Antônio Patriota, após a plenária que aprovou o texto proposto pelo Brasil após três dias de consultas entre países. Segundo Patriota, é a primeira vez na história da ONU que um documento tem os três pilares do desenvolvimento sustentável — social, ambiental e econômico — bem equilibrados.

“O documento é rico em potencialidades”, filosofou a embaixadora Maria Luiza Viotti, chefe da missão brasileira na ONU.

Ambientalistas, porém, criticaram a falta de ambição do texto e o fato de que, em sua maior parte, o esforço diplomático conseguiu apenas repetir os compromissos de 1992.

“Você entrou numa reunião no Rio em 2012 e saiu achando que estava no começo de uma reunião no Rio em 1992”, resumiu Marcelo Furtado, diretor-executivo do Greenpeace. “A conferência não está entregando nada além de uma promessa de que até 2015 tudo talvez possa estar resolvido.”

Um dos principais resultados esperados pelo Brasil no texto acabou não saindo: a decisão de lançar o embrião de um acordo para a proteção de áreas marinhas além de jurisdições nacionais — que cobrem 50% da superfície da Terra.

Por pressão de uma aliança improvável formada pelos tradicionais inimigos EUA e Venezuela, com apoio de Cingapura e Japão, o texto sobre os mares foi “aguado” entre a primeira e a segunda versão. Em vez de decidir lançar as bases para o acordo, a Rio+20 decidiu que a decisão será tomada até 2015, no máximo, pela Assembleia Geral das Nações Unidas.

“É como dizer para a sua namorada que em três anos você vai decidir se vai se casar ou não”, criticou Sue Lieberman, da ONG High Seas Alliance.

Fonte: Folha.com

Documento final da Rio+20 deixa decisões para o futuro

Documento final da Rio+20 deixa decisões para o futuro

Print Friendly, PDF & Email