Ativistas alertam para tese de negação da mudança climática

Negar a mudança climática, como prega uma corrente científica mundial, é igual fazer o mesmo com o Holocausto do qual foram vítimas milhões de judeus, alertam os promotores de um encontro de legisladores, acadêmicos e ativistas, que acontecerá paralelamente à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20). O deputado brasileiro Alfredo Sirkis, do Partido Verde (PV), expressou preocupação pelo que qualifica de uma “forte ofensiva” nessa linha de negação, que atribui a “uma visão lançada em Londres pela indústria do carvão e do petróleo” e por setores norte-americanos do opositor Partido Republicano ou vinculados ao movimento direitista Tea Party.

“A ‘negação climática’ é tão patética quanto a do Holocausto ou a dos médicos que, no passado, pagos pela indústria do tabaco, declaravam nos jornais e na televisão que não estava comprovado efetivamente que fumar causa câncer de pulmão”, disse Sirkis à IPS. Esta nova visão sobre a mudança climática não tem “nenhum respaldo científico sério”, alertou. Algumas dessas vozes argumentam que os ciclos de aumento e redução do gelo no mar Ártico demonstram que o aquecimento global é um mito e que, pelo contrário, haverá um esfriamento planetário até o final deste século.

Para o deputado, embora essa opinião represente uma “faixa totalmente marginalizada” da comunidade científica e relativamente pequena da opinião pública, “tem sua estridência e nunca é demais chamar a atenção para isso”. Sirkis falou à IPS por ocasião do lançamento, no dia 21, da Rio Clima (Rio Climate Challenge), reunião que acontecerá entre 14 e 17 de junho, no Rio de Janeiro, paralela à Rio+20, que será realizada de 20 a 22 do mesmo mês. Segundo explicou, com essa iniciativa se busca conseguir que um tema importante como a mudança climática “não passe em branco” na Rio+20, onde não será abordada de forma direta, mas que vai “pairar sobre ela como um fantasma”.

A Rio+20, que reunirá delegações dos 193 países-membros da Organização das Nações Unidas (ONU), tem como principais temas a economia verde e a governança mundial com relação à questão ambiental, com um enfoque não apenas ecológico mas também social e econômico. “Faltava na Rio+20 um momento em que se pudesse discutir o principal problema que a humanidade enfrenta, em médio e longo prazos, que é a questão climática”, destacou Sirkis, um dos organizadores da Rio Clima, que tem o apoio do governo de Dilma Rousseff.

“Como se pode tratar a economia verde ou as boas práticas de um governo se não vamos debater sobre o clima, ou abordar o modo como se chega a uma economia de baixo carbono, a energia limpa… E com financiar isso?”, Sirkis questionou durante a cerimônia de lançamento do encontro. O deputado chamou a atenção para os fatores de risco “catastrófico” do aquecimento global, que motivaram a necessidade da Rio Clima como a reunião paralela, que considerou “a mais importante” e cujos resultados serão apresentados na conferência das Nações Unidas.

O deputado recordou o consenso existente sobre o aumento da temperatura em três a seis graus até o final deste século, e das secas ou chuvas, entre outros eventos climáticos, que acontecerão cada vez mais fortes e frequentes, com suas consequências trágicas sobre as populações. Segundo disse, se não se reverter a atual curva de emissões de gases-estufa, corre-se o risco de chegarmos ao final deste século com uma elevação da temperatura de 4,5 graus, que derivará em outros efeitos, como liberação do gás metano do Ártico e do fundo do mar e a perda de capacidade de absorção de carbono dos oceanos e das selvas tropicais.

“Se o aquecimento do planeta pode se retroalimentar como um círculo vicioso catastrófico, ainda não sabemos”, observou Sirkis, recordando a possibilidade de um “inferno na terra” com o colapso da agricultura, a extensão da fome, as migrações descontroladas, a escassez de recursos como água e terra fértil, e furacões e inundações. Nesta direção, segundo o deputado, a Rio Clima busca mostrar um caminho “ambicioso mas possível” para manter a concentração de gases-estufa na atmosfera abaixo dos 450 ppm (partes por milhão) e o aumento médio do aquecimento do planeta, este século, abaixo dos dois graus.

“A ideia é construir um cenário factível e um acordo simulado de clima” negociado por líderes e formuladores de políticas públicas dos países emissores de gases-estufa causadores do aquecimento global e de outras nações vulneráveis a isso, disseram os organizadores. “Temos uma janela de 20 a 30 anos para prevenir essa catástrofe anunciada e viabilizar uma economia de baixo carbono”, entre outras com energias limpas, advertiu Sirkis.

Os promotores da Rio Clima (as autoridades do Rio de Janeiro e de Pernambuco, o Congresso Nacional, setores empresariais e o não governamental centro de estudos do mar Onda Azul, entre outros) querem que a iniciativa seja como um grupo de estudos permanente com sede no Rio de Janeiro, destinado a interagir com fóruns existentes e futuros sobre mudança climática. Entre os convidados para o encontro está Maurice Strong, ex-secretário-geral das conferências das Nações Unidas sobre meio ambiente.

O mais importante dos dois encontros ambientais é que “aconteçam”, enfatizou à IPS o ex-ministro da Cultura, Gilberto Gil, que deverá encerrar a Rio Clima com um show. “O fato de estar juntos, preocupados com o futuro, é o que garante o êxito. As outras coisas, o que pode propriamente surgir como resultado, documentos, compromissos para o futuro, são produtos desejáveis, mas o sucesso em si mesmo é a reunião propriamente dita, que a façamos”, acrescentou

Fonte: IPS

Ativistas alertam para tese de negação da mudança climática

Ativistas alertam para tese de negação da mudança climática

Print Friendly, PDF & Email