Água limpa com casca de banana

Alunos  do curso de Saneamento da Etevav apontam eficácia da casca da fruta para limpar a água de metais pesados como o cobre.

 

Que a banana é uma ótima fonte de energia para o organismo você já sabia.    Que dez entre dez atletas recorrem a ela para evitar câimbra, você também sabia. Mas e que a casca da banana purifica a água, essa é boa.

Esta é aproposta do TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) dos alunos do 3º módulo do curso de Saneamento da Etevav (Escola Técnica Estadual Vasco Antonio Venchiarutti).

A técnica é simples e usa cascas de banana para retirar da água os metais pesados como o cobre.

Nos primeiros testes feitos pelos alunos no laboratório da escola os resultados surpreenderam – água 100% limpa.

“Usamos 0,1 grama de pó de casca de banana em 500 ml de água. O cobre foi totalmente removido”, explica Brunna D’Luíse, 18 anos, uma entre os cinco alunos envolvidos com o projeto – também participam os estudantes Felipe D’Attoma, 17; Maressa Ferreira, 16; Suelen Magalhães, 17; e Maísa Lopes Apolinário, 17.

O processo de purificação da água por meio das cascas de banana ocorre em várias etapas. A primeira delas é expor as cascas ao sol por um período de 15 dias. Então, elas são trituradas em liquidificador ou processador de alimentos e peneiradas.

“O pó tem que ser bem fino porque isso aumenta o poder de absorção”, diz Felipe, explicando que uma pesquisa da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) revelou que é a porosidade da casca da banana que retém o metal pesado.

“A casca tem carga negativa e o cobre tem carga positiva, eles se combinam por isso”, diz.

Com a eficiência dos resultados, os próximos passos do projeto são mais ousados. O grupo agora busca o patrocínio de empresas para que possa realizar o procedimento de purificação da água com equipamentos mais eficientes.

“A ideia é conseguir uma parceria com a prefeitura para aproveitarmos as cascas de banana que vão para o lixo das escolas após a merenda”, diz Bruna.

Grupo tem apoio de pesquisadora do Ipen premiada em 2006


Para o desenvolvimento dos testes em laboratório e realização do TCC  “Remoção de metais pesados dos efluentes através da biomassa residual da casca de banana”, os alunos da Etevav contam com a co-orientação de uma especialista – a pesquisadora do Ipen (Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares) Milena Rodrigues Boniolo – que conquistou o prêmio Jovem Cientista [iniciativa do CNPq, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico] em 2006 com o trabalho de mestrado “Uso da casca de banana para tratamento de efluentes radioativos”.

No caso da pesquisadora, o pó de casca de banana foi usado para retirar da água o urânio, outro tipo de metal pesado. O processo é basicamente o mesmo feito pelos alunos da Etevav.

De acordo com a professora Marivalda Negri, orientadora do grupo, o projeto é viável para ser aplicado em empresas. “O desafio é conter a contaminação do meio ambiente com a água residuária que as empresas devolvem para a natureza. Acho que esse é um incentivo inclusive para a pesquisa de outras formas de purificação da água”, diz, contando que o projeto é inédito nos laboratórios da Etevav.

Fonte : Agencia Bom Dia

Michele Stella

Print Friendly, PDF & Email
Tags: ,