Tratamento de águas residuais reduz danos ao meio ambiente

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), saneamento refere-se à disponibilização de instalações e serviços para a eliminação segura de urinas e fezes humanas. Um saneamento deficiente causa doenças e o melhoramento do saneamento tem um impacto benéfico significativo sobre a saúde das famílias e das comunidades em geral. A OMS e a UNICEF criaram um sistema de definições para monitorização dos serviços de saneamento FConstrução de instalações sanitárias melhoradas na Província de Kunene. Fonte: Tump 2006oto :

Luanda – O engenheiro angolano Pitágoras Ramos disse hoje (20/10), em Luanda, que o reaproveitamento de águas residuais reduz o impacto da acção humano sobre o meio ambiente e assegura novas fontes de abastecimento do produto para a construção civil e agricultura.

Segundo a fonte, além de prejudicar o solo freático, águas residuais quando mal acondicionadas são susceptíveis de provocar doenças como cólera, febre tifóide e hepatites, o que pressupõe um tratamento adequado.
Acrescentou que desde a revolução industrial, no século XVIII, que o homem tem contaminado o ambiente com os resíduos excedentes da sua produção, levando à propagação de doenças e alterações climáticas.
Nesta época, os rios e os mares eram os principais destinos deste tipo de resíduos que, ao serem lançados directamente, causavam grandes prejuízos à fauna e à flora do local.
Referiu que o tratamento de águas residuais é efectuado para evitar condições inaceitáveis tais como: o risco para a saúde pública, poluição dos recursos hídricos para os quais são descarregados efluentes e da rede hidrográfica como lagos rios e mares.
Para Pitágoras Ramos, a gestão do problema deve ser uniformizado porque as consequências serão recíprocas para as próximas gerações.
Fonte : Angola Press
Print Friendly, PDF & Email