RS é o sexto Estado a aderir ao Comitê Brasil em Defesa das Florestas e do Desenvolvimento Sustentável

O Rio Grande do Sul é conhecido por ser um estado plano, e a Serra Gaúcha é o principal acidente geográfico, com altitudes moderadamente altas, de até cerca de 1.300m

Mais de 30 entidades reuniram-se ontem (21/10) na Assembleia Legislativa no esforço de assegurar a manutenção de uma legislação florestal condizente com o desenvolvimento sustentável do Brasil.

O Rio Grande do Sul é o sexto Estado a ter um representante no Comitê Brasil em Defesa das Florestas e do Desenvolvimento Sustentável. Estamos falando do Fórum Gaúcho em Defesa do Código Florestal Brasileiro, que desde janeiro deste ano, já congrega diversas entidades da sociedade civil.

Mais de 30 entidades prestigiaram o lançamento do Comitê Estadual, representado pelo Fórum Gaúcho em Defesa do Código Florestal Brasileiro, no Comitê Brasil em Defesa das Florestas e do Desenvolvimento Sustentável, no final da tarde de ontem (21/10), na Assembleia Legislativa. Elas estão unidas no esforço de assegurar a manutenção de uma legislação florestal condizente com o desenvolvimento sustentável do Brasil. Além do Distrito Federal, já foram criados comitês estaduais em: São Paulo, Fortaleza, Rio de Janeiro e Curitiba. Em novembro, será a vez de Recife se agregar à causa do Comitê Brasil em Defesa das Florestas e do Desenvolvimento Sustentável.

As ações dos Comitês Nacionais e Estaduais visam chamar a atenção dos congressistas para que não aprovem o retrocesso que representa a proposta de reforma do Código Florestal. Para isso, as organizações têm multiplicado informações técnicas e científicas à população, através da realização de eventos presenciais e virtuais. A campanha inclui a participação em um abaixo-assinado, que vai reunir 1 milhão de assinaturas contra a aprovação do relatório do deputado Aldo Rebelo (PC do B). Através da iniciativa a #florestafazadiferenca é possível acessar o abaixo-assinado, bem como obter demais materiais de divulgação da campanha. No mês passado, por exemplo, a campanha realizou a 1ª Maratona de esclarecimento sobre as mudanças no Código Florestal, entre os dias 20 e 22/09. Conforme o divulgado, foi feita uma transmissão ao vivo no site www.florestafazadiferenca.com.br durante 72h e a vigília pelas florestas impactou 31 milhões de usuários no Twitter, com hashtag #florestafazadiferenca.

Mais de 30 entidades prestigiaram o lançamento do Comitê Estadual

O engenheiro agroflorestal Luís Zarref, da Via Campesina, adiantou nessa sexta-feira, que o abaixo-assinado deve ser entregue, em mãos, à presidente Dilma. E o representante gaúcho da CNBB na reunião, Padre Agostinho, destacou trechos do documento favorável ao Código Florestal Brasileiro, como o que enfatiza que “as decisões não podem ser motivadas por uma lógica produtivista, que não tome em consideração a proteção da natureza, da vida humana e das fontes de vida”.

A todo momento, mais entidades se agregam à campanha. Dentre as presentes no lançamento do Comitê Estadual gaúcho, citamos: Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB); Movimento SOS Florestas, composto pelas entidades Greenpeace, Instituto Socioambiental (ISA), Apremavi, Imaflora, Instituto Centro de Vida (ICV), Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) e WWF-Brasil; Via Campesina; Associação Brasileira das ONGs (ABONG); Núcleo de Ecojornalistas do RS (NEJ-RS), Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais (InGá); Amigos da Terra Brasil; Centro de Estudos Ambientais (CEA); Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (FASE), Fórum Brasileiro de Organizações Não-Governamentais e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (FBOMS), Marcha Mundial de Mulheres (MMM), Movimento Os Verdes de Tapes, Movimento Gaúcho em Defesa do Meio Ambiente (Mogdema), Assembleia Permanente de Entidades em Defesa do Meio Ambiente (Apedema), Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan), Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG). Além destas organizações, participaram também do lançamento, o deputado estadual pelo PT, Dionilso Marcon, e o vereador de Porto Alegre pelo PP, Beto Moesch.

Fonte : ECOAGÊNCIA

Print Friendly, PDF & Email